Monarquia

Duarte Pio preocupado com aumento da dívida e elogia paz social no país

841

Na mensagem, em que também aborda os 100 anos do fim da I Guerra Mundial (1914-1918), Duarte Pio declara ser importante que as Forças Armadas "disponham dos meios para cumprir a sua missão"

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O pretendente ao trono português, Duarte Pio, expressou esta sexta-feira preocupação com o comportamento das exportações e da dívida, considerando existir “razão para alarme”, mas realçou a paz social com que os governantes têm sabido conduzir o país.

(…) O comportamento das exportações e o nível da dívida são motivos de preocupação. Neste último caso, sobretudo o crédito ao consumo, já supera níveis anteriores à crise, sendo um dos mais altos da União Europeia”, refere a mensagem do Duque de Bragança por ocasião de mais um aniversário da restauração da independência de Portugal, lida esta noite no “jantar dos conjurados”, que decorre na véspera do feriado nacional, no Estoril, distrito de Lisboa.

Segundo Duarte Pio, “há anos que as instituições financeiras não emprestavam tanto dinheiro” no país, referindo que “a subida destes valores tem sido acompanhada de diversos alertas sobre os excessos que podem estar a ser cometidos”.

“Os dados mais recentes revelam que há razão para alarme”, insistiu, para assinalar que no passado Portugal já pagou pelos “excessos coletivos”, desejando que os erros do passado possam “guiar o país para um futuro mais consciente”.

Para Duarte Pio, “apesar desta situação, os governantes portugueses têm sabido conduzir Portugal com estabilidade e paz social que permite uma caminhada de crescimento para o país”.

Porém, advertiu que “esta estabilidade e credibilidade da classe política não devem ser afetadas por situações de falha dos seus atores, como, infelizmente, tem vindo a acontecer em alguns casos”.

A classe política tem de saber respeitar da melhor forma o esforço que foi feito pelo povo nesta situação difícil que temos vivido ao longo dos últimos anos”, observou.

Na mensagem, em que também aborda os 100 anos do fim da I Guerra Mundial (1914-1918), Duarte Pio declara ser importante que as Forças Armadas “disponham dos meios para cumprir a sua missão”, manifestando preocupação com “a tentativa de criação de um exército europeu em substituição das forças armadas nacionais”.

Segundo o pretendente ao trono português, tal “pode pôr em causa” a soberania de Portugal.

Duarte Pio assinalou, ainda, que “os conflitos sociais que estão a percorrer a Europa não se refletem” no patriotismo nacional, que “sempre foi acolhedor das diferenças”, mas advertiu para a situação de marginalização em que vivem muitos jovens descendentes de comunidades imigradas em Portugal.

Na mensagem, Duarte Pio considera igualmente que “o maior atentado contra” a identidade cultural a que se assiste “há já alguns anos é relativo à família” e apelou para que os portugueses “se unam e atuem em torno” da cultura e valores para se construir um Portugal melhor.

“Num período de divisões por todo o mundo, temos a vantagem de ser um dos Estados nação mais antigos do mundo sem divisões nem barreiras à nossa ação”, acrescentou.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)