A deputada do PSD que votou por Feliciano Barreiras Duarte no Orçamento do Estado demitiu-se de todos os cargos que desempenhava na Assembleia da República, mas mantém-se como deputada. Esta quarta-feira, o Observador avançou a identidade de Mercês Borges no caso da votação-fantasma.

Em comunicado, o PSD diz que “perante as últimas noticias vindas a publico, a deputada do PSD Maria das Mercês Borges, pediu hoje a demissão de todos os cargos em que representava o grupo parlamentar ao presidente do grupo parlamentar Fernando Negrão”.

O partido recorda que “a deputada Maria das Mercês Borges foi, até hoje, presidente da comissão parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade e Coordenadora do grupo parlamentar do PSD na Comissão do Trabalho”.

O comunicado refere ainda que “o presidente do grupo parlamentar, Fernando Negrão, aceitou estes pedidos de demissão e designou para novo presidente da comissão parlamentar de inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade o deputado e vice-presidente da direção do grupo parlamentar Emídio Guerreiro.”

Esta quarta-feira, confrontada pelo Observador sobre o caso, a deputada admitiu que, “se o computador estava ligado” ao seu lado, podia “ter carregado no botão porque a ideia que tinha era que ele ia voltar. Não foi com nenhum instinto de maldade, não foi por vigarice“. “Que atire a primeira pedra quem não sabe que isto acontece”, disse ainda a deputada do PSD. Mercês Borges justificou que tem “muito respeito e consideração” por Feliciano, mas garantiu que não tem uma relação pessoal ou de confiança com o colega de bancada.

[Veja aqui o vídeo que explica como se validou um voto-fantasma]