PSD

Deputada que votou por Feliciano no OE demite-se de todos os cargos no Parlamento

3.780

Mercês Borges era presidente da comissão de inquérito às rendas excessivas no setor energético e coordenadora do PSD na comissão de Trabalho. Demite-se na sequência do caso da votação-fantasma.

MÁRIO CRUZ/LUSA

A deputada do PSD que votou por Feliciano Barreiras Duarte no Orçamento do Estado demitiu-se de todos os cargos que desempenhava na Assembleia da República, mas mantém-se como deputada. Esta quarta-feira, o Observador avançou a identidade de Mercês Borges no caso da votação-fantasma.

Em comunicado, o PSD diz que “perante as últimas noticias vindas a publico, a deputada do PSD Maria das Mercês Borges, pediu hoje a demissão de todos os cargos em que representava o grupo parlamentar ao presidente do grupo parlamentar Fernando Negrão”.

O partido recorda que “a deputada Maria das Mercês Borges foi, até hoje, presidente da comissão parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade e Coordenadora do grupo parlamentar do PSD na Comissão do Trabalho”.

O comunicado refere ainda que “o presidente do grupo parlamentar, Fernando Negrão, aceitou estes pedidos de demissão e designou para novo presidente da comissão parlamentar de inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade o deputado e vice-presidente da direção do grupo parlamentar Emídio Guerreiro.”

Esta quarta-feira, confrontada pelo Observador sobre o caso, a deputada admitiu que, “se o computador estava ligado” ao seu lado, podia “ter carregado no botão porque a ideia que tinha era que ele ia voltar. Não foi com nenhum instinto de maldade, não foi por vigarice“. “Que atire a primeira pedra quem não sabe que isto acontece”, disse ainda a deputada do PSD. Mercês Borges justificou que tem “muito respeito e consideração” por Feliciano, mas garantiu que não tem uma relação pessoal ou de confiança com o colega de bancada.

[Veja aqui o vídeo que explica como se validou um voto-fantasma]

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: prainho@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
214

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)