Restaurantes

Mouraria vai perder a tasca O Velho Eurico, mas não é para sempre

263

A famosa casa lisboeta termina em janeiro um percurso de mais de 40 anos. O dono está doente e não vai continuar com o negócio. O Observador foi até lá para perguntar o que vai acontecer.

Autor
  • Bruno Horta

Quem sobe do Largo do Caldas em direção ao castelo e deixa o Mercado do Chão do Loureiro à direita, encontra de esquina O Velho Eurico, casa de pasto que tantos lisboetas agora comentam, mesmo atrás da Igreja de São Cristóvão, neste momento em obras. Esplanada e duas árvores vistosas enquadram a entrada. Estamos na Mouraria e não há que enganar. A ementa anuncia-se à porta. Na última terça-feira, a sopa era de legumes e os pratos do dia compunham-se assim: pernil assado com batata, frango frito à passarinho, entrecosto grelhado e pescada cozida com todos, cada qual entre sete e nove euros. Não admira que a casa esteja quase sempre cheia.

Às quatro e meia da tarde, a cozinheira e duas filhas ajudantes arrumavam e limpavam o espaço, enquanto um casal fazia contas, últimos clientes de uma hora de almoço muito esticada. Contaram elas que dias antes outros jornalistas ali tinham estado para falar com a patroa. Parece que agora há jornais e revistas de volta do restaurante e o motivo só pode ser um: O Velho Eurico, concorrida tasca com toalhas de mesa aos quadradinhos, prepara-se para fechar portas ao fim de mais de 40 anos.

Carolina Cunha, de 70 anos, tem as mãos ao leme desde que o marido, Eurico Ferreira, de 73, caiu doente. Foi há cerca de oito meses. Uma das empregadas foi à porta chamá-la e ela, que mora a dois passos, veio sentar-se com o Observador para contar histórias e explicar o que acontecerá ao negócio nos próximos tempos. Janeiro será o último mês de trabalho, isso já é certo.

Na última terça-feira, a sopa era de legumes e os pratos do dia compunham-se assim: pernil assado com batata, frango frito à passarinho, entrecosto grelhado e pescada cozida com todos, cada qual entre sete e nove euros

De repente, voltamos atrás no tempo, nada menos que a 1958, quando um rapazinho de 13 anos chega a Lisboa para trabalhar numa carvoaria, das muitas que então existiam na cidade e onde também serviam copos e petiscos. Nascido em Ferreira do Zêzere, Eurico Ferreira tinha perdido a mãe aos cinco anos e uns tios de Reguengos de Monsaraz deitaram-lhe a mão. Com eles viveu até chegar à capital. A carvoaria era precisamente aqui, no número 3 da Rua de São Cristóvão, e Eurico foi empregado até que o chamaram para a Guerra Colonial.

Esteve uns três anos em Angola e como era uma pessoa muito orientada, e sempre teve muito jeito para o negócio, juntou algum dinheiro por lá e quando voltou tomou conta do negócio já como dono e acho que a casa nessa altura nem nome tinha”, conta Carolina Cunha, que se casou com Eurico há 22 anos, em segundas núpcias, depois de ter ficado viúva e de ele se divorciar.

Depois do serviço militar, ele casou-se, teve uma filha e o negócio fez-se próspero. De um lado servia refeições à hora de almoço e do outro, com parede e passagem pelo meio, tinha uma mercearia. Quando a clientela do restaurante era muita, Eurico montava mesas e cadeiras na loja. “Foi assim até abrir ali um Pingo Doce. Nessa altura, ficámos sem clientela na mercearia e passou a ser tudo só restaurante. Fomos sempre melhorando, sempre fazendo arranjos”, resume Carolina Cunha, que chegou a Lisboa aos 22 anos, vinda de Paredes de Coura, e trabalhou como auxiliar em infantários da Alameda e de Carnide.

No Velho Eurico a clientela é muita e o trabalho vai pelo mesmo caminho

Conheceram-se porque eram vizinhos e Carolina frequentava a mercearia. Juntaram-se em 1996, mas uma década depois a saúde de Eurico começou a fraquejar. Segundo a mulher, andou anos em hospitais até perceberem que precisava de um transplante de fígado e foi isso mesmo que fez, entregue à equipa do médico Alfredo Barroso. Depois teve uma broncopneumonia, “e foi por um triz que o salvaram”, e ainda voltou à sala de operações para fazer um “bypass”.

“Tem passado coisas muito difíceis, mas quero dizer que, de tudo, o pior foi o acidente vascular cerebral há oito meses”, detalha a mulher, de modos delicados e voz sussurrada. A fala e os movimentos ficaram afetados e a recuperação tem sido lenta mas visível.

Sempre foi um homem com uma força muito grande. Nos meses todos em que andou doente do fígado, muito magro, ia às compras à praça, trazia hortaliças, carnes, peixe, tudo. As pessoas admiravam-se.”

Atrás do balcão, a adiantar a sopa do jantar, a cozinheira vai às lágrimas quando recorda a energia de Eurico a trabalhar, “capaz de fazer tudo aqui de olhos fechados”. Por perto, duas ajudantes descascam batatas e Carolina esclarece que chega a gastar por dia oito sacos de 20 quilos cada. “Os estrangeiros, sobretudo, gostam de comer tudo com batatas, até peixe.”

São os turistas, aliás, os que mais vezes aqui aparecem – espanhóis, franceses, alemães – e ora encontram o restaurante à passagem, ora o descobrem na internet. “Já fizeram mais despesa, não são só os portugueses que andam poupados”, refere Carolina.

Carolina Cunha tem mantido a casa em funcionamento

Atualmente, com Eurico convalescente, ela já pouco cozinha, mas não regateia talentos: “Sou minhota, cozinho alguma coisa.” Evidentemente, o bacalhau à moda do Minho é dos pratos que mais saem. “A salada de polvo também, mas agora abrandámos, porque o polvo está muito caro e rende pouco”. O filho faz-lhe as compras e dois homens estão na grelha a carvão, no primeiro andar do prédio (de que Carolina e Eurico são proprietários há poucos anos).

Já os portugueses costumam vir em grupo e para uma geração de 20, 30 anos O Velho Eurico tornou-se lugar de culto. É a qualidade da comida que faz o êxito da casa? “A comida e o atendimento”, diz a responsável.

A pessoa que entra precisa de bom ambiente e nós temos. Ao fim de semana vem muita gente jovem e adoro aquela alegria, fazem barulho, deitam-me a casa abaixo. Sinto-me orgulhosa.”

Que ela e o marido teriam de se afastar do negócio mais cedo ou mais tarde, estava decidido, mas ninguém esperava que fosse tão de repente . O estado de saúde de Eurico a isso levou. Carolina Cunha diz que vai trespassar o restaurante a um casal de Lisboa que tem negócios noutras áreas, mas garante que vão manter o nome. Houve obras há poucos anos e o fundador da casa mandou fazer um letreiro novo, altura em que O Eurico passou a ser O Velho Eurico. “Em princípio” também a carta é para continuar como está, apenas com menos opções do que as atuais dezenas. Quantos aos empregados, ainda não é certo quem deseja ficar ou sair.

O casal deverá manter-se na zona de Lisboa enquanto Eurico não estiver recuperado. O sonho de Carolina Cunha de voltar a Paredes de Coura e ali gozar a reforma “com sossego e umas galinhas” é ainda uma interrogação.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)