Brexit

Tribunal de Justiça da União Europeia confirma que Reino Unido pode reverter Brexit unilateralmente

121

O Tribunal de Justiça da União Europeia anunciou esta segunda-feira que o Reino Unido pode voltar atrás de forma unilateral, sem que a decisão seja votada pelos restantes Estados-membros.

Getty Images

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) anunciou esta segunda-feira que o Reino Unido pode reverter a decisão de deixar a UE de forma unilateral, dispensando a aprovação dos restantes Estados-membros.

A decisão, que não é vinculativa, surge na sequência de um pedido da justiça escocesa, que tinha solicitado um parecer à mais alta instância judicial da União Europeia. O entendimento do TJUE é oposto ao da própria UE, que entende que, para que o processo seja revertido, os restantes 27 Estados-membros devem aprovar a decisão.

“O Reino Unido pode revogar unilateralmente a notificação da sua intenção de deixar a UE“, garante a sentença, que é assinada pelos 28 juízes do TJUE. Esta instância judicial entende que deixar a decisão condicionada à aprovação de todos os países “transformaria um direito soberano unilateral num direito condicional, o que seria incompatível com o princípio de que um Estado-membro não pode ser obrigado a abandonar a UE contra a sua vontade”, deliberou o tribunal.

A revogação deve, no entanto, ser decidida através “de um processo democrático, de acordo com os requisitos constitucionais nacionais”. A decisão, lê-se ainda no despacho, tem de ser “inequívoca e incondicional” e deve ser comunicada por escrito ao Conselho Europeu.

A primeira-ministra reagiu minutos depois de a decisão ter sido conhecida através do Twitter. Nicola Sturgeon voltou a defender a manutenção do Reino Unido na União Europeia e passou a bola ao Congresso dos Deputados britânico. “[A reversão do Brexit] É uma opção que está em aberto para a Casa dos Comuns“, escreveu a governante.

A decisão foi conhecida precisamente um dia antes de o Parlamento do Reino Unido se reunir para votar o acordo do Brexit, que tem de receber luz verde tanto de Londres como de Bruxelas.

Depois de UE e Reino Unido terem chegado a acordo, o negociador comunitário Michel Barnier resumiu o entendimento como sendo “único” e “o melhor possível”. Sublinhou ainda que qualquer passo atrás teria de ser ratificado por todos os Estados-membros.

Uma posição semelhante à que Theresa May tem adotado desde que chegou ao poder. Sempre que foi instada a comentar uma possível reversão do acordo, a primeira-ministra britânica mostrou-se irredutível na defesa do resultado do referendo. Para May, não é possível voltar com a palavra atrás nem encetar um processo que levasse a um segundo referendo.

Recorde-se que o entendimeto alcançado entre a UE o Reino Unido não foi bem recebido pelos britânicos e que gerou, inclusivamente, várias baixas no Executivo – mais concretamente, sete membros, entre ministros, secretários de estado e “membros juniores”. Vários deputados conservadores criticaram o acordo mas foi pela voz de Jeremy Corbyn que Theresa May ouviu as maiores críticas no dia em que selou o entendimento. “Um acordo mal amanhado que não tem o apoio do Governo, desta Câmara, nem do país no seu todo”, resumiu o líder dos trabalhistas.

[Theresa May alvo de chacota quando anunciou adiamento da votação do Brexit. Veja o vídeo:]

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)