504kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Oiça aqui o vento de Marte, o primeiro som captado noutro planeta

Este artigo tem mais de 3 anos

O módulo InSight enviou para a Terra o som do vento em Marte. É a primeira vez que ouvimos um som captado noutro planeta. A gravação foi editada três vezes para ser audível pelos humanos. Oiça-as.

O módulo InSight chegou a Marte a 26 de novembro
i

O módulo InSight chegou a Marte a 26 de novembro

NASA/JPL

O módulo InSight chegou a Marte a 26 de novembro

NASA/JPL

O que está prestes a ouvir é, literalmente, um som de outro mundo. O módulo InSight, que chegou a Marte a 26 de novembro, enviou para a Terra o primeiro som captado num planeta que não a Terra. Ao fim de uma semana de estadia no Planeta Vermelho, a mais recente missão da NASA a Marte mostrou à humanidade como é o barulho do vento marciano a soprar a 24 quilómetros por hora. Pode ouvi-lo aqui em baixo.

Apesar de nos ter enviado esta gravação, o módulo InSight não está equipado com um microfone. Só que o vento atingiu os painéis solares, que depois fizeram tremer todo o módulo marciano, incluindo os sismómetros que vão perfurar a superfície do planeta para detetar “tremores de Marte”. No fundo, o InSight passou a comportar-se como o ouvido humano: os painéis solares foram os tímpanos, que transmitem o som do ar para dentro do ouvido; o corpo do módulo foi o ouvido interno; e o sismómetro foi a cóclea, que transforma as vibrações em sinais nervosos.

Enquanto o sismómetro captou vibrações com frequência até aos 50 hertz, que o ouvido humano consegue identificar, o sensor de pressão atmosférica captou vibrações com frequências tão mais baixas que nenhum humano as conseguiria ouvir: só animais como as baleias ou os elefantes é que têm capacidade auditiva suficiente para isso. Mas disso já os cientistas estavam à espera: os instrumentos que compõem o módulo InSight não são sensíveis a frequências mais altas porque a finíssima atmosfera marciana, que tem 1% da densidade da atmosfera terrestre, produz sons de frequência mais baixa.

Foi por isso que a NASA decidiu editar os sons que vieram a público para torná-los audíveis pelos humanos. Há três versões das gravações: uma original, sem qualquer tipo de edição; outra com as gravações dos sismómetros, mas aumentada em duas oitavas; e a terceira com as gravações do sensor de pressão atmosférica, mas comprimida 100 vezes, de modo que 29 segundos desse áudio equivalem a 48 minutos em Marte.

Apesar de o InSight ter aterrado na Elysium Planitia, a segunda região vulcânica mais extensa de Marte e um lugar inóspito do planeta, este som testemunha alguns detalhes sobre o local e as condições climatéricas em que o módulo está. Quando o vento sopra em Marte, ele entra em vórtices sempre que encontra objetos no caminho, formando remoinhos na atmosfera do planeta. Esses turbilhões vão-se dividindo noutros vórtices mais pequenos até que não haja energia suficiente para os sustentar. Enquanto na Terra esses remoinhos podem chegar a ter apenas um milímetro de diâmetro, em Marte eles costumam dissipar-se quando atingem apenas um centímetro de diâmetro porque nessa altura já perderam a energia de que precisavam para continuarem a circular.

Acontece que, em Marte, quanto mais pequenos forem esses remoinhos, mais baixos são os sons que produzem. Como a gravação que chegou à NASA tinha uma frequência extremamente baixa, então isso significa que o InSight está debaixo de remoinhos muito pequenos de apenas um centímetro de diâmetro ou pouco mais e que, apesar de viajarem a 24 quilómetros por hora, na verdade correspondem a leves brisas na Terra. Para que um astronauta em Marte conseguisse ouvir esses ventos, seria preciso que eles alcançassem os 50 quilómetros por hora.

A ideia de captar um som em Marte já tem mais de duas décadas. A primeira vez que alguém sugeriu montar um microfone numa missão a Marte foi em 1996 e saiu da mente de Carl Sagan, fundador da Sociedade Planetária: “Mesmo que apenas alguns minutos de sons marcianos sejam registados a partir desta primeira experiência, o interesse público vai aumentar e a oportunidade para a exploração científica tornar-se-á real”, previu ela numa carta enviada à NASA.

O microfone chegou a ser desenvolvido e incorporado no Mars Polar Lander, uma sonda espacial norte-americana que chegou a Marte a 3 de dezembro de 1999. No entanto, o microfone não sobreviveu ao colapso da sonda, que se desfez ao embater na superfície marciana. Dezanove anos depois dessa tentativa falhada, a NASA conseguiu gravar o primeiro som noutro planeta. E não precisou de um microfone para isso.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.