Rádio Observador

Autoeuropa

Autoeuropa e Operestiva já preparam plano para exportar 22 mil viaturas até fim do ano

Após o desbloqueio do acordo que envolvia os trabalhadores do Porto de Setúbal, a Autoeuropa e a Operestiva anunciaram que já estão a preparar a exportação de 22 mil carros até ao final do ano.

Com o acordo assinado, pelo menos 56 trabalhadores vão ser integrados nos quadros de pessoal da Operestiva e da Setulsete

ANDRÉ AREIAS/LUSA

A Autoeuropa e a Operestiva já estão a preparar um plano para a exportação de 22 mil viaturas acumuladas durante a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal, confirmaram à agência Lusa fontes oficiais das duas empresas.

“Esperamos que a partir da próxima segunda-feira já seja possível carregar o primeiro navio com automóveis produzidos na fábrica de Palmela”, disse à agência Lusa o gerente da Operestiva, Diogo Marecos, pouco depois de ter sido firmado o acordo entre o Sindicato dos Estivadores e os operadores portuários que põe termo à paralisação do Porto de Setúbal.

“É provável que até ao final do ano seja possível assegurar o transporte das 22 mil viaturas, que representam cerca de 300 milhões de euros, e que têm um grande impacto tanto para a Autoeuropa como para as exportações portuguesas”, acrescentou o gerente da Operestiva. Fonte oficial da Autoeuropa confirmou ao Observador que está já em marcha o plano logístico para resolver o escoamento dos automóveis acumulados devido à greve que durou mais de uma mês.

A Autoeuropa usou outros portos para exportar a produção, nomeadamente Leixões e Santander, em Espanha, mas estas soluções eram mais caras e não permitiram escoar a maioria das unidades produzidas, ao ritmo de 800 por dia.

Questionado sobre o acordo assinado esta sexta-feira com o Sindicatos dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL), que prevê a integração de 56 trabalhadores precários como efetivos, Diogo Marecos adiantou que 48 vão ficar na Operestiva e oito na Setulsete, outra empresa de trabalho portuário de Setúbal.

“Se for possível garantir o regresso de todos os armadores que manifestaram a intenção de deixar o Porto de Setúbal, e se o porto voltar a ter uma boa situação como em 2017, acreditamos que daqui a alguns meses, depois de negociarmos o Contrato Coletivo de Trabalho, poderemos integrar mais 10 a 37 trabalhadores”, disse Diogo Marecos.

“Um dos armadores das linhas de contentores que manifestaram a intenção de abandonar o Porto de Setúbal está muito reticente em regressar, mas estamos a trabalhar para que todos regressem”, acrescentou o responsável da Operestiva, congratulando-se com o acordo alcançado para a normalização da atividade portuária em Setúbal.

Contactada pela agência Lusa, a administração da Autoeuropa também se congratulou com o acordo alcançado esta sexta-feira, sob mediação do Governo.

“A Autoeuropa congratula-se com o sucesso do acordo para o Porto de Setúbal e agradece o empenho do Governo, bem como dos operadores portuários e do sindicato dos Estivadores”, disse fonte oficial da empresa.

O Porto de Setúbal está praticamente parado desde o dia 5 de novembro, data em que os estivadores eventuais – que até esta sexta-feira representavam cerca de 90% da mão-de-obra disponível no Porto de Setúbal – decidiram recusar o trabalho como forma de pressão contra a situação de precariedade em que se encontravam e para conseguirem um contrato coletivo de trabalho.

Com o acordo assinado, pelo menos 56 trabalhadores vão ser integrados nos quadros de pessoal da Operestiva e da Setulsete, sendo que os restantes terão preferência na distribuição de trabalho face a outros trabalhadores que ainda não trabalham no Porto de Setúbal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)