Autoeuropa

Autoeuropa e Operestiva já preparam plano para exportar 22 mil viaturas até fim do ano

Após o desbloqueio do acordo que envolvia os trabalhadores do Porto de Setúbal, a Autoeuropa e a Operestiva anunciaram que já estão a preparar a exportação de 22 mil carros até ao final do ano.

Com o acordo assinado, pelo menos 56 trabalhadores vão ser integrados nos quadros de pessoal da Operestiva e da Setulsete

ANDRÉ AREIAS/LUSA

A Autoeuropa e a Operestiva já estão a preparar um plano para a exportação de 22 mil viaturas acumuladas durante a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal, confirmaram à agência Lusa fontes oficiais das duas empresas.

“Esperamos que a partir da próxima segunda-feira já seja possível carregar o primeiro navio com automóveis produzidos na fábrica de Palmela”, disse à agência Lusa o gerente da Operestiva, Diogo Marecos, pouco depois de ter sido firmado o acordo entre o Sindicato dos Estivadores e os operadores portuários que põe termo à paralisação do Porto de Setúbal.

“É provável que até ao final do ano seja possível assegurar o transporte das 22 mil viaturas, que representam cerca de 300 milhões de euros, e que têm um grande impacto tanto para a Autoeuropa como para as exportações portuguesas”, acrescentou o gerente da Operestiva. Fonte oficial da Autoeuropa confirmou ao Observador que está já em marcha o plano logístico para resolver o escoamento dos automóveis acumulados devido à greve que durou mais de uma mês.

A Autoeuropa usou outros portos para exportar a produção, nomeadamente Leixões e Santander, em Espanha, mas estas soluções eram mais caras e não permitiram escoar a maioria das unidades produzidas, ao ritmo de 800 por dia.

Questionado sobre o acordo assinado esta sexta-feira com o Sindicatos dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL), que prevê a integração de 56 trabalhadores precários como efetivos, Diogo Marecos adiantou que 48 vão ficar na Operestiva e oito na Setulsete, outra empresa de trabalho portuário de Setúbal.

“Se for possível garantir o regresso de todos os armadores que manifestaram a intenção de deixar o Porto de Setúbal, e se o porto voltar a ter uma boa situação como em 2017, acreditamos que daqui a alguns meses, depois de negociarmos o Contrato Coletivo de Trabalho, poderemos integrar mais 10 a 37 trabalhadores”, disse Diogo Marecos.

“Um dos armadores das linhas de contentores que manifestaram a intenção de abandonar o Porto de Setúbal está muito reticente em regressar, mas estamos a trabalhar para que todos regressem”, acrescentou o responsável da Operestiva, congratulando-se com o acordo alcançado para a normalização da atividade portuária em Setúbal.

Contactada pela agência Lusa, a administração da Autoeuropa também se congratulou com o acordo alcançado esta sexta-feira, sob mediação do Governo.

“A Autoeuropa congratula-se com o sucesso do acordo para o Porto de Setúbal e agradece o empenho do Governo, bem como dos operadores portuários e do sindicato dos Estivadores”, disse fonte oficial da empresa.

O Porto de Setúbal está praticamente parado desde o dia 5 de novembro, data em que os estivadores eventuais – que até esta sexta-feira representavam cerca de 90% da mão-de-obra disponível no Porto de Setúbal – decidiram recusar o trabalho como forma de pressão contra a situação de precariedade em que se encontravam e para conseguirem um contrato coletivo de trabalho.

Com o acordo assinado, pelo menos 56 trabalhadores vão ser integrados nos quadros de pessoal da Operestiva e da Setulsete, sendo que os restantes terão preferência na distribuição de trabalho face a outros trabalhadores que ainda não trabalham no Porto de Setúbal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)