Sindicatos

Questão da Autoeuropa foi “encenação e desviar de atenções”, segundo o sindicato dos estivadores

O líder do sindicato afirmou que a questão da Autoeuropa foi uma encenação que "correu mal, porque os trabalhadores revoltaram-se" e "parou completamente um porto que estava a trabalhar em 50%".

O presidente do Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul de Portugal, António Mariano

MÁRIO CRUZ/LUSA

O presidente do Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL) considerou esta quarta-feira que a questão da Autoeuropa foi uma “encenação” e um “desviar de atenções” para o porto de Setúbal, no âmbito da greve dos estivadores.

Em audição no Comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, no âmbito de um requerimento do Bloco de Esquerda, o líder sindical lembrou que durante três meses houve greve ao trabalho suplementar e a fábrica de Palmela do grupo Volkswagen (VW) “sempre esteve a exportar os seus veículos, eventualmente com algo atraso, mas presumivelmente não”.

“Houve acumulação de 8.500 veículos na base aérea do Montijo devido ao problema de certificação de motores, por parte da própria VW, não teve nada que ver com greve dos estivadores (…). Não temos dúvidas nenhumas de que aquilo que aconteceu no Porto de Setúbal foi uma encenação e um desviar de atenções do problema nacional”, como as “perseguições devido à opção sindical”, garantiu António Mariano.

Para o dirigente do SEAL, a “questão da Autoeuropa foi um desviar de atenções para Setúbal”, mas que “correu mal, porque os trabalhadores revoltaram-se” e “parou completamente um porto que estava a trabalhar em 50%”, “importando e exportando tudo”.

Mariano estranhou ainda, perante os deputados, a notícia sobre uma eventual requisição civil no âmbito dessa paralisação, porque estavam em causa “trabalhadores sem vínculos laborais e por isso sem direito à greve”. “Depois de pesar o que era mais importante para as vidas humanas”, com o aceitar da integração de precários conforme proposto e o compromisso para outras soluções “em prazo razoável”, o SEAL notou que se tinha “atingido o ponto satisfatório” para um acordo, explicou o sindicalista.

No passado dia 14 foi assinado um acordo entre o SEAL e os operadores portuários, sob mediação do Governo, para o regresso ao trabalho dos estivadores do Porto de Setúbal. Este acordo prevê a passagem imediata a efetivos de 56 trabalhadores precários (mais 10 a 37 numa segunda fase) e o levantamento de todas as formas de luta, incluindo a greve ao trabalho extraordinário.

O acordo pôs fim a um conflito com os estivadores precários de Setúbal que recusavam apresentar-se ao trabalho desde o dia 5 de novembro e garante também a prioridade na atribuição de trabalho aos atuais trabalhadores eventuais que não sejam integrados nos quadros dos operadores portuários, face a outros que ainda não estejam a laborar no Porto de Setúbal.

Nesse dia 14, foi indicado que a Autoeuropa e a empresa Operestiva estavam a preparar um plano para a exportação de 22.000 viaturas acumuladas durante a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal.

O Porto de Setúbal esteve praticamente parado desde o dia 5 de novembro, data em que os estivadores eventuais — que até àquela data representavam cerca de 90% da mão-de-obra disponível naquele porto — decidiram recusar o trabalho como forma de pressão contra a situação de precariedade em que se encontravam e para conseguirem um contrato coletivo de trabalho.

Com o acordo assinado, pelo menos 56 trabalhadores vão ser integrados nos quadros de pessoal da Operestiva e da Setulsete, sendo que os restantes terão preferência na distribuição de trabalho face a outros trabalhadores que ainda não trabalham no Porto de Setúbal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Programa de Estabilidade

O “truque”de Mário Centeno

Inês Domingos

O programa de Estabilidade, mais do que previsões, apresenta-nos unicórnios alados, que servem lindamente para contar histórias às crianças, mas não são uma forma credível de preparar o futuro do país

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)