Rádio Observador

Natal

Marcelo participa em almoço de Natal da comunidade islâmica e destaca-a como exemplo da sociedade portuguesa

4.071

Presidente participou em almoço na Mesquita Central de Lisboa e destacou obra social da comunidade islâmica em Portugal, num momento de "tanta xenofobia, tanta intolerância, tanto racismo".

Presidente da República com voluntário no almoço da Mesquita Central de Lisboa

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu este sábado que a única forma de combater a xenofobia que se vive noutros países é ajudar todos os dias os mais pobres, “independentemente da religião ou do partido político”.

Marcelo Rebelo de Sousa esteve este sábado a participar num almoço de Natal que a comunidade islâmica em Portugal oferece há já 13 anos a centenas de pessoas carenciadas, “crentes, de todas as crenças, e não crentes”. A iniciativa encheu a Mesquita Central de Lisboa, numa organização que acontece não só nesta época natalícia, mas ao longo de todo o ano.

“A única maneira de combatermos o que se vive lá fora, noutros países, é fazendo isto: é todos os dias ajudando, sobretudo os mais pobres, mais carenciados, independentemente da religião, do partido político, da opinião política. É isso que se deve fazer”, defendeu o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas no meio dos cumprimentos, beijinhos e selfies que durante uma hora distribuiu, antes dos discursos e de se sentar finalmente à mesa para almoçar. “O exemplo fortifica e o exemplo de 13 anos já deste encontro de Natal da comunidade islâmica, correspondente a 50 anos de presença aberta à sociedade portuguesa, é um exemplo que se deve multiplicar”, apelou.

Segundo o chefe de Estado, a grande maioria das pessoas que recebem este apoio da comunidade islâmica “não é muçulmana”, mostrando “o que deve ser a sociedade portuguesa, uma sociedade diversa, tolerante, fraterna”. Neste almoço, relatou aos jornalistas, encontrou “o líder da comunidade mórmon, evangélicos, católicos, budistas”.

“Esta comunidade está em Portugal há cerca de 50 anos, integrou-se e tem continuado a crescer permanentemente, mas manteve uma abertura a toda a sociedade portuguesa e tem uma obra social para toda a sociedade portuguesa, que é espetacular e isso é muito bom, porque é isso que pode fazer a diferença num momento em que há tanta xenofobia, tanta intolerância, tanto racismo, tanta discriminação”, defendeu.

Questionado sobre se sente necessidade, enquanto Presidente da República, de preencher espaços vazios deixados pelo Governo e pelos partidos, Marcelo Rebelo de Sousa contrapôs que esses “espaços estão a ser preenchidos pela sociedade civil”.

“Os partidos políticos não têm de organizar este tipo de encontros, nem os parceiros económicos e sociais. Isto deve partir da sociedade civil”, concretizou. O chefe de Estado insistiu num elogio que já tem feito em diferentes ocasiões. “A sociedade civil, mesmo no tempo da crise, aguentou largamente a crise com exemplos de solidariedade como este”, enalteceu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Natal

A revolução divina

Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)