Rádio Observador

Benfica

Rui Vitória sai do Benfica, Bruno Lage fica como interino, Jesus de novo hipótese: um remake do primeiro filme

1.223

Rui Vitória rescinde com Benfica e tem proposta do Al Nassr. Bruno Lage sobe da equipa B como interino. Jesus está em vias de sair do Al Hilal e é hipótese. "Ninguém foi contactado", garante clube.

Rui Vitória esteve três anos e meio no Benfica mas acabou por cair após perder o primeiro jogo de 2019 em Portimão

AFP/Getty Images

Em poucas horas, o Benfica vive uma espécie de remake do que já se tinha passado no final de novembro, quando saiu goleado de Munique frente ao Bayern, mas que acabou por ser “abortado” por decisão do presidente Luís Filipe Vieira – Rui Vitória de saída, Bruno Lage como solução interina, Jorge Jesus como hipótese. As duas primeiras foram mesmo confirmadas, à CMVM e através do site oficial do clube; a última, em relação ao sucessor, nem por isso. “Os contactos terão apenas início na próxima segunda-feira. Não existiu qualquer contacto com qualquer treinador por parte de qualquer responsável ligado ao Benfica”, garantiu Luís Bernardo em direto à CMTV, que ia também passando em rodapé a informação “Luís Filipe Vieira contactou a direção da CMTV. O presidente do Benfica garante que o treinador do Benfica não será Jorge Jesus nem Paulo Fonseca”.

Depois da forma como foi gerida toda a situação há pouco mais de um mês, percebe-se que existe um especial cuidado com os próximos passos a seguir na Luz. Vieira, que teve de voltar atrás na decisão que tomou quase sozinho de manter Rui Vitória, sabe bem o que quer, quem quer e quando quer, mas também percebe o peso que a decisão, qualquer que seja, irá assumir. Para o Benfica e no seu próprio mandato. Em paralelo, e tal como tinha acontecido no final de novembro, o líder encarnado entende que as más exibições que se foram sucedendo não se devem apenas a Vitória, esperando agora pela própria reação da equipa no encontro de domingo, frente ao Rio Ave, e nos importantes compromissos que se seguem a breve prazo, nomeadamente a viagem a Guimarães para defrontar o Vitória na Taça de Portugal e a meia-final da Taça da Liga com o FC Porto.

Apesar disso, Jorge Jesus continua a ser, como já era antes, a principal opção para substituir Rui Vitória, algo adensado pelas notícias que vão chegando da notícia árabe que dão conta da insatisfação dos próprios responsáveis do Al Hilal, pela queda de resultados desde que foi falado pela primeira vez como possibilidade para o Benfica (três vitórias nos últimos sete encontros) e também por um alegado desentendimento com um jogador. A dúvida, neste cenário, era se haveria uma saída por mútuo acordo do treinador ou se a sua próxima equipa teria de pagar algum tipo de indemnização. A saída de Jesus da Arábia Saudita antes de contrato será também um sinal sobre o seu futuro, sendo que se começam já a falar de alguns nomes para suceder ao antigo treinador do Sporting no líder do Campeonato saudita. Com ou sem Jesus, Luisão, antigo capitão dos encarnados, deve ocupar um lugar na próxima estrutura técnica.

Certo é que Rui Vitória, técnico que se sagrou bicampeão pelo Benfica e ganhou seis títulos nas últimas três épocas e meia, está mesmo de saída da Luz, depois da derrota sofrida pelos encarnados em Portimão por 2-0 que colocou a equipa no quarto lugar, a sete pontos de distância do líder FC Porto. “A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248.º-A do Código dos Valores Mobiliários, que chegou a um princípio de acordo com o treinador Rui Carlos Pinho da Vitória para a rescisão do contrato de trabalho desportivo com efeitos imediatos”, comunicou o Benfica à CMVM pouco depois das 20h30, cerca de 15 minutos depois de começarem a sair as notícias sobre a possível saída.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa que chegou a um princípio de acordo com o treinador Rui Vitória com vista à rescisão do seu contrato com efeitos imediatos ao dia de hoje. Ao treinador Rui Vitória fica o público reconhecimento de todos os benfiquistas pelo valioso e meritório trabalho efetuado, que permitiu a conquista dos mais diversos títulos (2 Campeonatos, 1 Taça de Portugal, 2 Supertaças e 1 Taça da Liga). Informamos que a orientação da equipa principal do Sport Lisboa e Benfica será assegurada de imediato e provisoriamente pelo treinador Bruno Lage”, acrescentou o clube no site oficial.

Depois da goleada sofrida em Munique frente ao Bayern por 5-1, Rui Vitória esteve com os dois pés fora do Benfica mas acabou por ficar por decisão de Luís Filipe Vieira, invertendo aquilo que tinha sido “apontado” umas horas antes nas reuniões que foi mantendo na Luz com elementos da SAD. A partir desse momento, os encarnados somaram sete triunfos consecutivos (quatro pela margem mínima), o último dos quais com uma goleada convincente diante do Sp. Braga por 6-2. No entanto, depois do Natal, as águias empataram na Vila das Aves com uma exibição muito sofrível e perderam por 2-0 frente ao Portimonense.

Bruno Lage, treinador da equipa B dos encarnados que tem feito uma época muito interessante na Segunda Liga (e que vai defrontar o FC Porto B no próximo sábado), foi confirmado como solução para assumir de forma interina o cargo deixado em aberto após a saída de Rui Vitória, tal como era suposto acontecer no primeiro cenário de saída que acabou depois por ser abortado por decisão do presidente do clube e da SAD, Luís Filipe Vieira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)