Depois de ter estado a descer, a taxa de desemprego parece ter estabilizado nos 6,7%, mas o número de empregos vagos em Portugal está a aumentar. É essa a conclusão dos dados fornecidos pelo ministério do Trabalho ao Correio da Manhã, que registam uma subida de quase 9% nos postos de trabalho sem candidatos no terceiro trimestre de 2018, face ao período homólogo.

Ao todo, há mais de 30 mil vagas por ocupar — isto apesar de estarem inscritos nos centros de emprego mais de 300 mil pessoas, mais de metade já sem direito ao subsídio de desemprego.

O comércio e a restauração são as áreas onde há maior oferta de emprego, com 9.876 postos de trabalho disponíveis. Segue-se o setor das atividades administrativas (6.428) e o das indústrias extrativas, transformadoras, de eletricidade, gás e água (5.194). Esta última área, contudo, foi a única a registar uma descida no número de vagas sem candidatos (8,1%, segundo as contas do Correio da Manhã).

O setor onde se regista o maior aumento no número de vagas é o da construção. Embora não esteja no top 3 do número de postos de trabalho disponíveis (2.398 ao todo), registou um crescimento de quase 50% face ao último trimestre de 2017.

Contactado pelo Correio da Manhã, o líder da CGTP, Arménio Carlos, ofereceu uma explicação para as 30.031 vagas sem candidato, apontando os “salários baixos” e os “vínculos precários”. “São condições que estão longe de corresponderem às expectativas dos trabalhadores”, declarou.