PSD

Ferreira Leite: “Prefiro PSD com pior resultado nas eleições do que com rótulo de direita”

1.291

A ex-ministra das Finanças criticou a convenção do Movimento Europa e Liberdade, que junta direita e críticos de Rui Rio, dizendo que é uma iniciativa de "muito curto-prazo" que merece "desprezo".

Natacha Cardoso / Global Imagens

Manuela Ferreira Leite comentou a realização da primeira convenção do Movimento Europa e Liberdade (MEL), que vai juntar esta semana várias correntes da direita portuguesa, entre vozes críticas de Rui Rio do PSD, o Aliança de Pedro Santana Lopes e Assunção Cristas, dizendo que este movimento merece “algum desprezo”.

Para a ex-líder do PSD, o MEL “tem muito a ver com a oposição ao Rui Rio” e será “um movimento de muito curto-prazo”. Conhecida apoiante de Rui Rio, a ex-ministra das Finanças repetiu a ideia que tinha vindo a referir já desde a liderança social-democrata de Pedro Passos Coelho, dizendo que nessa altura o partido “tinha adquirido um rótulo de direita do qual sempre discordei”. Rótulo esse que, sublinhou na sua intervenção na TSF, é de evitar: “Prefiro que [o PSD] tenha pior resultado nas eleições do que tivesse melhor com um rótulo que eu acho que não lhe assenta”.

Manuela Ferreira Leite não poupou palavras para se referir ao MEL, que tem a sua convenção marcada para esta quinta e sexta-feira na Culturgest, em Lisboa. “Acho que todo este tipo de movimentos que se baseiam em questões de natureza pessoal e muito marcados pela futura próxima constituição de listas para deputados merecem-me algum desprezo”, referiu a ex-ministra das Finanças, em declarações no programa Pares da República da TSF, que sublinhou não querer “dar importância” àquela iniciativa.

Manuela Ferreira Leite referiu-se ainda assim ao facto de esta convenção acontecer a menos de 10 meses das próximas eleições legislativas, dizendo que o timing escolhido é “óbvio” e revela ambições eleitorais. “É agora ou nunca, quando estiverem feitas as listas já as pessoas todas se desinteressam e só acordam daqui a quatro anos”, disse.

Sem referir nomes, Manuela Ferreira Leite referiu ainda que “há um conjunto de pessoas que pensam que é o momento da sua vida quando há eleições”. “Como sabem que podem chegar aos eleitores por formas muito diretas e pouco controláveis, pode ser que inesperadamente sejam um Trump”, disse.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
262

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.498

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)