Obras Públicas

Quais vão ser os grandes investimentos para a próxima década

491

Esta quinta-feira deve ser aprovado o Programa Nacional de Investimentos para o horizonte 2021/2030. No papel estão previstos 20 mil milhões de euros para infraestruturas. Ferrovia tem a maior fatia.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Numa semana marcada pelo anúncio de investimentos em infraestruturas de transportes — dos comboios da CP, à solução aeroportuária para Lisboa, passando pela expansão do Metro de Lisboa — o Governo deverá aprovar esta quinta-feira em Conselho de Ministros o Programa Nacional de Investimentos. O PNI 2021/2030 elenca os projetos para o próximo ciclo de investimento e fundos comunitários, alguns dos quais já estavam previstos no PETI 3+, o Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas que veio de anterior Governo e que o atual Executivo abraçou, ainda que com vários atrasos no calendário de execuções, mas não só.

O documento preliminar que tem vindo a ser discutido com os partidos, e que o Observador teve acesso, prevê uma maior ambição nos valores: 20 mil milhões de euros, a dividir por um horizonte temporal mais lato, quase dez anos. O plano que atualmente está em execução até 2020 tem um valor previsto de 6,5 mil milhões de euros.

As infraestruturas de transportes e mobilidade continuam a absorver a maior fatia, 62% do total, o que equivale a 12,7 mil milhões de euros. Nos transportes, a ferrovia continua a ser a principal aposta com uma dotação prevista de quatro mil milhões de euros. A mobilidade urbana, onde se inserem as expansões dos metros de Lisboa e Porto, tem um envelope de 3,4 mil milhões de euros. A rodovia surge com uma dotação de 1,5 mil milhões de euros. Os portos têm um montante alocado de 2,6 mil milhões de euros.

O ambiente tem uma verba prevista de 3,275 mil milhões de euros, na energia estão programados 3,650 mil milhões de euros e há 750 milhões de euros para o regadio.

As principais fontes de financiamento previstas são os privados e entidades públicas fora das contas do défice, com 7,3 mil milhões de euros, e os fundos comunitários do próximo ciclo orçamental comunitário, ainda por fechar, com 6,5 mil milhões de euros. O Orçamento do Estado deverá contribuir com 15% do total, cerca de 3,2 mil milhões de euros. A contribuição do financiamento via parcerias público privado ascende a 1,6 mil milhões de euros. Há ainda 1,8 mil milhões de euros do Fundo Ambiental.

O projeto com maior dotação financeira é o reforço de capacidade do eixo ferroviário Lisboa/Porto com intervenções previstas na Linha do Norte e um objetivo de reduzir o tempo de percurso entre as duas maiores cidades do país para duas horas. Neste eixo está ainda inscrita a quadruplicação da linha na via de cintura entre Braço de Prata e Chelas. Estão igualmente programas intervenções de fundo nas linhas do Oeste, Algarve e Douro e a modernização da ligação Lisboa/Faro. Ficou inscrita uma nova ligação entre Aveiro e Mangualde, um projeto que já era referido no atual plano, e são programados acessos ferroviários aos aeroportos do Porto e de Faro. Há ainda o retomar de um projeto com muitos anos, a ligação da Linha de Cascais à linha de cintura, com um valor estimado de 200 milhões de euros.

No capítulo da mobilidade, há 620 milhões de euros para a expansão do Metro do Porto e 445 milhões para o Metro de Lisboa. O apoio à mobilidade elétrica surge com 360 milhões de euros e está prevista a criação de faixas Bus nas autoestradas A5 em Lisboa e A28 na região do Porto.

Na rodovia, fica para o próximo ciclo o investimento no IP8, que é apontado como um dos projetos previstos, e há uma verba de 300 milhões de euros para a reabilitação, segurança rodoviária e redução do ruído,

Na expansão da capacidade portuária, o maior valor está programado para o Porto de Sines, mais de mil milhões de euros, seguido do Porto de Lisboa com 665 milhões de euros, verba que inclui o novo terminal do Barreiro e o reforço de capacidade de Liscont em Alcântara. Na área portuária, grande parte do financiamento deverá vir de fontes privadas via concessões de terminais. Também na energia, o grosso do investimento será privado, com as interligações de eletricidade e gás natural, e a promoção  das renováveis a receber as maiores fatias.

Privado será também o grosso do valor previsto para os aeroportos com a segunda fase da expansão da capacidade de Lisboa — que se segue aos investimentos anunciados esta semana — a incluir 600 milhões de euros de um capítulo que tem um número global de 800 milhões de euros.

No ambiente, a recuperação de minas e outros passivos ambientais, a reabilitação e reforço das zonas costeiras e a requalificação rede de distribuição de água, são áreas em destaque.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)