Cinema

Três filmes para ver esta semana

Um documentário da portuguesa Leonor Teles, uma animação digital que tem como heróis Astérix e Obélix, e "Vox Lux", com Natalie Portman, são as escolhas de Eurico de Barros esta semana.

"Terra Franca", o primeiro documentário da jovem realizadora Leonor Teles

Autor
  • Eurico de Barros

“Terra Franca”

No seu primeiro filme de longa duração após ter ganho, em 2016, o Urso de Ouro de Melhor Curta-Metragem do Festival de Berlim com “Balada de um Batráquio”, a jovem realizadora Leonor Teles rumou a Vila Franca de Xira, de onde é natural, para acompanhar, ao longo de um ano, o dia-a-dia de uma família, a de Albertino Lobo, pescador no Tejo, casado com a dona de um pequeno café, e com duas filhas, uma já mãe, a outra prestes a casar. Percebe-se a intenção da realizadora em homenagear e dar a ver a cidade onde nasceu e as suas gentes. Só que a existência anódina, quotidiana, sem sobressaltos de maior, totalmente igual a de milhões de outras famílias portuguesas, da família Lobo, não é suficiente para justificar um documentário com esta duração e captar o interesse dos espectadores. E Leonor Teles nem explora oportunidades para aprofundar “Terra Franca”, como por exemplo, mostrar o que é ganhar a vida a  pescar no Tejo no início do século XXI, ou o que pode significar para o Sr. Albertino não conseguir renovar a licença de pesca. O tema do filme é curto e o olhar da realizadora muito passivo.

“Astérix: O Segredo da Poção Mágica”

Desde 1976, quando se estreou “Os 12 Trabalhos de Astérix”, que não havia uma longa-metragem de animação protagonizada pelos gauleses criados por Goscinny e Uderzo, que não fosse baseada num álbum de Astérix e Obélix. Este filme de animação digital realizado por Alexandre Astier e Louis Clichy, é assim apenas o segundo com um argumento original. Tudo começa quando o druida Panoramix dá uma valente queda quando está a colher visco, o que o convence que é tempo de procurar um jovem druida que lhe possa suceder e seja digno de ser depositário da fórmula secreta da poção mágica que confere uma força sobrenatural a quem a beber.  Assim, Panoramix  pega em Astérix e Obélix, e vão percorrer a Gália em busca do candidato ideal para a função. Entre os actores que dão as vozes ás várias personagens de “Astérix: O Segredo da Poção Mágica”, encontra-se Christian Clavier na de Astérix, papel que interpretou nos dois primeiros filmes de imagem real desta série, “Astérix e Obélix Contra César” (1999) e “Astérix e Obélix: Missão Cleópatra” (2002).

“Vox Lux

Na sua segunda longa-metragem como realizador, após “A Infância de um Líder” (2015), o actor americano Brady Corbet filma, em dois tempos, a história de Celeste, que em 1999 sobrevive a um massacre como o de Columbine na sua história, e ao cantar, na vigília de homenagem ás vítimas, uma canção que compôs com a irmã, torna-se numa vedeta do dia para a noite. Decorridos quase 20 anos, Celeste é uma diva pop de 30 e muitos anos, cínica e arrogante, caprichosa e errática, com uma filha adolescente, e sempre uma sobrevivente. Mete-se nos copos e nas drogas, protagonizou um escândalo envolvendo um desastre de automóvel e está a tentar reativar a carreira, com um novo álbum e uma digressão que começa com um concerto na sua Staten Island natal. Natalie Portman interpreta a Celeste mais velha, Raffey Cassidy, num duplo papel, personifica-a na adolescência e depois faz de Albertine, a sua filha, e Jude Law é o agente sabidão da diva. “Vox Lux” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)