Uma equipa de detetives privados contratados por Jeff Bezos concluiu que foi o irmão da sua atual namorada o responsável pela divulgação de mensagens de texto e fotografias íntimas trocadas entre o presidente da Amazon e a ex-pivot televisiva Lauren Sanchez, revelou esta terça-feira a Associated Press. Estas mensagens estariam a ser utilizadas pelo jornal tabloide norte-americano National Enquirer para tentar “extorquir e chantagear” Bezos.

Michael Sanchez, além de ser irmão de Lauren, é também o seu manager e apoiante de Donald Trump. Segundo o La Vanguardia, Gavin de Becker, o homem responsável pela segurança de Jeff Bezos, reconheceu há alguns dias que Michael Sanchez estava na sua lista de suspeitos no caso, uma afirmação que o irmão da namorada de Bezos acabou por considerar como uma “teoria da conspiração”.

National Enquirer diz que investigará acusação de chantagem feita por Jeff Bezos

Em janeiro, o National Enquirer publicou uma história sobre uma relação extraconjugal de Bezos. Nessa publicação, o tabloide diz ter tido acesso a mensagens e fotografias íntimas em que o homem mais rico do mundo expressava o seu amor pela pivot de 49 anos, poucos dias depois do fim do casamento de 25 anos com MacKenzie Tuttle, que se tornou um dos divórcios mais caros de sempre.

Jeff Bezos vai divorciar-se. O que é que isto significa para a Amazon?

O presidente da Amazon ordenou então a uma equipa de detetives privados para ir até ao fim na investigação à forma como o Enquirer obteve mensagens trocadas entre si e a ex-pivot televisiva. “Em vez de ceder à extorsão e chantagem, decidi publicar exatamente o que me enviaram, apesar do custo pessoal e da vergonha da ameaça”, escreveu Jeff Bezos na Medium.

Segundo as mensagens de correio eletrónico divulgadas na passada quinta-feira por Bezos, um advogado da American Media Inc. propôs-lhe um acordo na quarta-feira, mediante o qual o tabloide não divulgaria as fotos se Bezos e os seus investigadores divulgassem uma declaração pública “afirmando que não tinham conhecimento ou base” para sugerir que a cobertura da Enquirer era “politicamente motivada ou influenciada por forças políticas”.