Rádio Observador

PSD

PSD vota a favor da moção de censura mas desvaloriza. “Não tem efeito prático”

730

PSD vota a favor da moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS. Mas Rui Rio desvaloriza iniciativa: "É por demais evidente que não tem qualquer efeito prático". Eis a "posição oficial" do PSD.

Confirmação foi dada pelo vice-presidente David Justino, depois de, no sábado, Rui Rio não ter querido pronunciar-se sobre a questão

CARLOS BARROSO/LUSA

Está clarificada a posição sobre a moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS: o PSD vai votar a favor. A notícia foi avançada pelo vice-presidente David Justino à Rádio Renascença esta manhã e confirmada ao final da manhã por Rui Rio num comunicado do grupo parlamentar partilhado via Twitter que, diz Rio, é a “posição oficial do PSD sobre a sessão plenária da Assembleia da República na próxima quarta-feira”. Ou seja, mais nenhuma é válida. O voto do PSD vai ser a favor, mas sem antes Rio desvalorizar a iniciativa em toda a linha: “É por demais evidente que a moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS não tem qualquer efeito prático”.

O CDS anunciou que iria apresentar uma moção de censura ao Governo na última sexta-feira, mas Rui Rio preferiu manter-se em silêncio sobre esse tema durante o fim de semana. Tudo para não “dispersar” as atenções do debate de “ideias” que se travava na convenção do Conselho Estratégico Nacional, em Santa Maria da Feira.

Agora, em declarações à Renascença, o vice-presidente do PSD David Justino começou a pôr fim à especulação: “Não tem muito sentido nós estarmos, por um lado, a dizer que estamos contra o Governo, estarmos a fazer oposição e, por outro lado, não secundar a posição do CDS”, disse, sublinhando que, “se nada mudar”, “muito provavelmente” a posição do PSD vai ser no sentido de votar a favor.

O debate e a votação da moção de censura vão decorrer esta quarta-feira, no Parlamento, e já se sabe que os partidos da maioria de esquerda vão votar contra. O que significa que a moção não vai ser aprovada.

Por essa razão, o comunicado oficial do PSD tem três pontos e os dois primeiros são logo a desvalorização da iniciativa. “Como é por demais evidente, a moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS não tem qualquer efeito prático. A par de algumas notícias, a sua única consequência é a realização de um debate regimental na Assembleia da República na próxima quarta-feira”, lê-se. Só depois se clarifica que “o GP/PSD voltará a repetir as críticas que tem vindo a fazer ao Governo e, consequentemente, votará a favor de uma censura à política socialista que tem vindo a ser seguida”.

Caso a moção de censura fosse aprovada, implicava a queda do Governo. Esta é já a segunda vez que o CDS avança com uma iniciativa deste género, tendo a primeira sido na sequência da tragédia dos fogos de outubro de 2017. Também nessa altura, o PSD votou a favor, ao lado do CDS, enquanto PS, BE, PCP e PAN votaram contra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)