Rádio Observador

Catalunha

Para Puigdemont, Bruxelas é “marioneta dos partidos da direita” espanhola

Após ter sido impedido de falar no Parlamento Europeu, Puigdemont acusou aquela câmara de ser uma "marioneta" da direita espanhola. Em conferência de imprensa, insistiu em num referendo à escocesa.

Após ter sido impedido de discursar no Parlamento Europeu, Carles Puigdemont convocou uma conferência de imprensa num hotel Bruxelas, ao lado do presidente do governo regional catalão, Quim Torra

THIERRY ROGE/AFP/Getty Images

Com uma bandeira da União Europeia (UE) pelas costas, ao lado da catalã, o ex-presidente do governo regional da Catalunha criticou esta segunda-feira o Parlamento Europeu, acusando aquela câmara de ser uma “marioneta” da direita espanhola, após ter sido impedido de ali discursar por decisão do seu presidente, Antonio Tajani.

“O presidente Tajani tomou uma decisão política e ideológica quando deveria ter agido como o presidente de todos os europeus e não apenas da ala mais radical da direita”, disse Carles Puigdemont, que, ao não ter podido discursar no Parlamento Europeu, convocou uma conferência de imprensa no Steigenberger Wiltcher’s, um hotel de luxo no centro de Bruxelas.

“Em vez de defender o direito de todos os europeus, [Antonio Tajani] converteu o Parlamento Europeu numa marioneta dos partidos da direita”, acrescentou o líder independentista, que tinha sido convidado para discursar no Parlamento Europeu por um eurodeputado nacionalista flamenco, Ralph Packet, e pelo ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Eslovénia e atual líder da plataforma que junta eurodeputados a favor do diálogo entre a UE e a Catalunha, Ivo Vajg.

Carles Puigdemont sublinhou ainda o facto de ter sido permitido ao secretário-geral do Vox, partido de extrema-direita espanhol que surge em quinto lugar nas sondagens para as eleições legislativas de 28 de abril. “É escandaloso”, disse.

“O senhor Tajani censurou a nossa conferência, mas permite um evento organizado por um partido da extrema-direita espanhol, o Vox. O populismo e o nacionalismo extremista são bem-vindos no Parlamento Europeu, mas não o direito à autodeterminação reconhecido pelas Nações Unidas”, acrescentou o ex-presidente do governo regional da Catalunha.

O projeto independentista catalão, da maneira foi desenhado por Carles Puigdemont e pelos seus aliados — a maioria dos quais começou a ser julgada em Madrid na semana passada por crimes de sedição, rebelião e desvio de fundos —, contava com a mediação da União Europeia para a resolução do conflito entre o governo regional catalão e o Estado central espanhol. Na noite do referendo inconstitucional de 1 de outubro de 2017, foi precisamente à Europa, e não a Madrid, que Carles Puigdemont apelou, pedindo assistência e mediação.

Porém, essa ajuda nunca chegou a ser formalmente oferecida por Bruxelas — e, esta segunda-feira, Carles Puigdemont, que foi exílio auto-imposto na capital belga desde o final de outubro de 2017, voltou a denunciar a posição europeia.

“A maioria dos cidadãos da Catalunha não conseguem entender o silêncio das principais instituiçoes europeias, especialmente a Comissão Europeia, em relação à violência do 1 de outubro”, disse. “E é ainda mais difícil entender que prolonguem o seu silêncio enquanto se prende de forma impune democratas.”

Durante a conferência de imprensa, Carles Puigdemont tornou a insistir na realização de um referendo à independência na Catalunha, inspirando-se no caso do Quebeque ou da Escócia, onde foram realizados referendos à independência, que acabou por ser rejeitada nos dois casos.

“Vamos defender um referendo acordado com o governo espanhol, uma vez que é a opção mais plausível entre todas. Esta proposta de diálogo e busca pelo consenso continuará aberta até a último dia”, disse Carles Puigdemont.

Esta insistência é tanto uma mensagem para o passado como é para o futuro, já que na semana passada o presidente de governo, Pedro Sánchez, convocou eleições antecipadas após falhar um consenso com os independentistas, que provocaram o chumbo do orçamento socialista.

Numa entrevista à TVE transmitida na segunda-feira à noite, Pedro Sánchez disse que estaria disposto a pactar com os independentistas catalães, tal como com os outros partidos. “Também não fecho a porta a um entendimento com o Ciudadanos, Podemos e o PP”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)