Há quem diga que o Festival da Canção já não gera o entusiasmo de antigamente, mas nas redes sociais não é isso que se vê. Nesta final, o Festival ocupou durante várias horas o primeiro lugar dos assuntos mais falados no Twitter. Entre os vários comentários, algumas figuras da política nacional expressaram a sua opinião sobre os músicos a concurso.

A ex-ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, foi uma das mais interventivas. “Se o Conan Osiris ganhar isto, o Festival da Canção entra novamente na idade das trevas durante muitos anos”, começou por dizer a antiga ministra do Partido Socialista, criticando ainda a afinação daquele que viria a ser o vencedor da edição deste ano.

A antiga ministra da Cultura não foi parca em críticas e, a par das que dirigiu a Conan Osíris, disse que “não haveria vencedores” na edição deste ano, por ser “demasiado fraca”. Entre os oito finalistas, Gabriela Canavilhas apontou os Madrepaz como vencedores — que viriam a ficar em 4º lugar.

Quem também já é conhecido por ser um acérrimo fã do Festival da Canção é o vice-presidente do CDS — e ex-secretário de Estado do Turismo –, Adolfo Mesquita Nunes, que foi comentando a edição do festival ao longo da noite.

Ao contrário da ex-ministra socialista, Adolfo Mesquita Nunes apoiou a prestação de Conan Osíris, a quem atribuiria a pontuação máxima caso fosse jurado e acredita que Portugal vai conseguir “arrancar uma das melhores posições de sempre”. 

Adolfo Mesquita Nunes é um fã da Eurovisão e mostrou ao longo da noite que conhece a história das edições anteriores.

Conan Osíris foi o vencedor do Festival da Canção deste ano, representando Portugal na Eurovisão, que vai decorrer em Tel Aviv, entre os dias 14 e 18 de maio.