Agarrando em tudo aquilo que se passou na última semana em Alvalade, existe uma clara sensação de dejá vu no quotidiano do Sporting. As campanhas eleitorais trazem promessas, quem ganha surge com soluções, passam alguns meses, estuda-se mais ao pormenor a herança que fica e lá vêm as questões financeiras como obstáculos difíceis de contornar. Desde os anos 90 que é assim, com exceções à mistura mas de quem passou os destinos do clube a bem. Mas esse dejá vu poderá não ficar por aí a breve prazo, neste caso no que toca às soluções possíveis para ultrapassar essas dificuldades de tesouraria que foram assumidas pelos próprios administradores da SAD verde e branca numa comunicação enviada à CMVM.

Bruno de Carvalho escreveu sobre a situação financeira do Sporting. E disse muito nas entrelinhas

Recuando aos meses de maio e junho, mais concretamente à fase onde a guerra entre Mesa da Assembleia Geral e Direção teve o seu expoente máximo, houve sempre um argumento em cima da mesa por parte de Bruno de Carvalho e restante elenco (ou pelo menos os vices e vogais que não apresentaram demissão depois do ataque à Academia) para recusar a sua queda e respetivo ato eleitoral antecipado: as negociações que estavam a decorrer com a banca para uma nova reestruturação financeira. As conversas existiam e, entre os contornos que iam ganhando, envolviam também a recompra dos VMOC ao preço atual – ou seja, em vez de serem pagos os 135 milhões de euros, a operação podia ficar por 40,5 milhões, cerca de 30% do valor. Foi nesse contexto que se foi falando, sempre sem confirmação oficial, na possibilidade de acordo com o fundo Apollo.

As quatro horas loucas do Sporting, da ata por assinar aos gravadores, da bomba atómica ao porta-voz de Saddam

O resto da história é conhecido: Jaime Marta Soares, então presidente da Mesa da Assembleia Geral, manteve a decisão de ouvir os sócios, marcou uma Assembleia Geral destitutiva para 23 de junho e cerca de 15.000 votaram a favor da queda da Direção, o que levou a eleições antecipadas no Sporting a 8 de setembro, ganhas por Frederico Varandas entre sete candidatos. Cerca de seis meses depois, a Apollo volta a estar ligado aos verde e brancos: de acordo com o Eco, os leões estarão próximos de fechar um empréstimo de 65 milhões com o mesmo fundo com base nas receitas de direitos televisivos da NOS.

Sporting SAD admite ficar sem dinheiro em abril. Receitas televisivas da NOS vão ser antecipadas

Conforme foi explicado à CMVM, existe uma necessidade de tesouraria de 41 milhões de euros até abril, por forma a cumprir todos os regulamentos na inscrição para as provas europeias da próxima temporada, valor que se alarga aos 65 milhões até ao final do ano. Com este empréstimo, esse problema a curtíssimo prazo poderia ficar resolvido (melhor ou pior, consoante a taxa de juro fechada); em contrapartida, e como garantia, surge esse valor do contrato assinado por dez anos com a NOS – sendo que também aqui houve uma mudança porque em setembro era estimado que estivessem ainda disponíveis 425 dos 515 milhões contratualizados (ou seja, cerca de 82,5%) mas agora Francisco Salgado Zenha, administrador da SAD e vice para as finanças do clube, já falou num montante disponível a rondar os 70%.

“Não vi buraco ou anormalidade a nível contabilístico. Rescisões? Contactos com clubes têm sido positivos”

“Não tenho todos os detalhes mas segundo sei entra no pacote total, renegociação do passivo e recompra dos VMOC que entram no Sporting que é o que interessa para ser a maioria. Já está alguma coisa negociada e ou mantemos as condições se forem boas ou vamos negociar para fazer melhor. Temos de perceber que o que se passou pode dar até mais alguma força. O que podemos prometer é que pior não vai ser, ou fica aquele ou fazemos melhor. Mas deixe-me dizer uma coisa: não queremos investidores para o capital da SAD, nem para menores. Não é a altura para vender capital, nunca se vende em baixa. Não vejo muito interesse dos investidores mas também os que tiverem iriam comprar em baixa e isso não queremos”, explicou Salgado Zenha em setembro, em entrevista ao Observador, a propósito de uma pergunta sobre um fundo estrangeiro que estaria interessado em entrar nesse negócio da recompra dos VMOC pelo montante de 40,5 milhões, no âmbito do acordo com os bancos.

“A otimização de custos é importante mas a sustentabilidade financeira do Sporting passa pelo aumento de receitas”

Nesse âmbito, a SAD acredita que a renegociação dos termos do Acordo Quadro com Millenium BCP e Novo Banco possa ficar fechada até ao final do mês, conforme foi explicado pela própria sociedade verde e branca no Relatório e Contas do primeiro semestre do exercício 2018/19 enviado esta semana à CMVM. Cumprindo esse prazo, e conforme referido também pela SAD, os leões poderão beneficiar de um waiver, o que dá outra margem para pagamento de pressupostos que não foram cumpridos após a reestruturação feita em 2014, que previa que parte da venda de ativos do futebol por determinado valor revertesse para a banca.