Nove anos depois, a Grécia colocou novamente a dívida a dez anos com uma taxa de juro de 3,90%, na primeira emissão desta maturidade desde o início dos resgates financeiros.

Segundo a bolsa de Atenas, a procura foi de 11 300 milhões de euros frente a uma oferta inicial de 2 mil milhões de euros. Fontes bancárias atribuíram a procura ao alto rendimento das obrigações soberanas da Grécia.

Para esta emissão de dívida, que tem vencimento em 12 de março de 2029, e se rege pelo direito inglês, o Governo grego mandatou um sindicato bancário.

A última vez que a Grécia esteve no mercado a emitir dívida (a cinco anos) foi no final de janeiro, quando realizou a primeira emissão desde a saída da troika do país, tendo emitido 2.500 milhões de euros.