Rádio Observador

Porto

Empresa municipal Porto Lazer poderá vir a chamar-se Ágora

Porto Lazer será a empresa de cultura e desporto da cidade. Solução exigiu duas leis e foi recentemente aprovada a que excluiu as atividades desportivas do cumprimento de metas económico-financeiras.

A Câmara Municipal do Porto anunciou, em 28 de fevereiro, que a Porto Lazer ia ser transformada na empresa de cultura e desporto da cidade

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Porto Lazer, que vai ser transformada na empresa de cultura e desporto da cidade, poderá vir a chamar-se Ágora, revelou esta quarta-feira o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

“Não há registo, mas nós queríamos alterar o nome. E posso dizer o nome que nós queríamos. Nós queríamos chamar Ágora”, afirmou o independente em resposta à vereadora socialista Maria João Castro, na reunião do executivo camarário desta quarta-feira onde foi aprovada, com o voto contra da CDU, a alteração dos estatutos da empresa municipal Porto Lazer.

Podendo dizer que “naturalmente gostaria que esta questão estivesse resolvida há cinco anos”, Moreira lembrou, contudo, que esta solução exigiu duas leis e só recentemente foi aprovada a que excluiu também as atividades de desporto do cumprimento de metas económico-financeiras.

“Na discussão do Orçamento do Estado quis o Partido Socialista, olhando para esta matéria, dizer que a exclusão não se aplica apenas às atividades da cultura, mas também às atividades de desporto. Então tínhamos a solução que preconizávamos há cinco anos, que permite fazer uma única empresa”, explicou. “Vamos fazer por aqui, é mais rápido, é mais consequente. Depende da deliberação dos órgãos municipais e não temos que pedir mais autorização a ninguém”, afirmou.

Também o PS se congratulou com a solução encontrada, que permite, sublinhou a vereadora Maria João Castro, “resolver problemas graves e sérios” com que a cultura está confrontada, nomeadamente de contratação. Já a CDU, que votou contra a proposta, considera que a gestão devia ser realizada diretamente pelos serviços municipais e não encarada de um ponto de vista empresarial.

Acresce a isto, referiu a vereadora Ilda Figueiredo, a questão do escrutínio público pelo que sugeriu que sejam feitas apresentações anuais sobre a atividade desta empresa municipal. Na resposta, Rui Moreira mostrou-se disponível para acolher a sugestão da vereadora comunista.

O município anunciou, em 28 de fevereiro, que a Porto Lazer ia ser transformada na empresa de cultura e desporto da cidade, depois de uma alteração legislativa que exceciona do cumprimento de metas económico-financeiras as empresas municipais que desenvolvam atividade nestas duas áreas.

“A nova redação permite, por isso, que na prática a Porto Lazer possa ser transformada numa empresa municipal que cumpra simultaneamente as duas funções, sem que incorra no risco de incumprir os critérios económicos das empresas municipais e ser obrigada ao encerramento”, lia-se num comunicado.

Na proposta aprovada esta quarta-feira explica-se que “é através da alteração dos estatutos de uma empresa já existente que mais rapidamente se chegará ao desiderato enunciado”.

A criação de uma empresa de cultura no Porto foi decidida a 12 de julho de 2017 pela Assembleia Municipal, que então aprovou, por proposta do executivo presidido por Rui Moreira, a sua concretização.

Segundo a autarquia, o Tribunal de Contas veio, contudo, a rejeitar o visto prévio à empresa, por considerar que os pressupostos para a criação de empresas municipais nesta área eram diferentes dos requisitos para o seu encerramento, obrigando a que cumprisse metas económicas impossíveis de alcançar na atividade cultural”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)