Uma estátua de Michael Jackson que estava em exposição no National Football Museum, em Inglaterra, foi retirada esta semana. Esta ação acontece depois da estreia do documentário “Leaving Neverland”, da HBO, onde testemunhas voltam a afirmar que o cantor “era pedófilo”. A notícia foi avançada pela BBC.

Realizador do documentário sobre Michael Jackson: “Vão ter de ouvir a música dele sabendo que ele era um abusador de crianças”

A estátua tinha sido encomendada pelo antigo dono do Fulham FC, Mohammed Al Fayed, em 2009, depois da morte do ícone da música pop. Segundo os responsáveis do National Football Museum, a estátua de Michael Jackson foi guardada num armazém no seguimento de “planos que já estavam a ser preparados há meses” para “representar melhor” as histórias do futebol.

”Ele era um pedófilo”. Ex-empregada de Michael Jackson fala dos anos em que trabalhou na mansão do cantor

A estátua tinha estado em exposição em frente ao estádio Craven Cottage, do Fulham FC, entre 2011 e 2013. Contudo, o atual dono do clube, Shahid Khan, mandou retirá-la em setembro desse ano. A colocação da estátua em frente do estádio tinha já sido criticada no passado pelos adeptos, ao que, na altura, Al Fayed respondeu: “Se alguns fãs estúpidos não percebem nem apreciam o que este homem deu ao mundo, podem ir para o inferno”.

Michael Jackson “abusou de nós centenas de vezes”, repetem duas alegadas vítimas

O documentário ”Leaving Neverland” estreou em janeiro no Sundance Film Festival, nos Estados Unidos da América. Nele, aparecem dois homens, Wade Robson e James Safechuk, a contar que quando eram crianças foram vítimas de abuso sexual por parte de Michael Jackson quando visitaram Neverland, a mansão do cantor. Em 2005, o cantor foi ilibado das acusações de pedofilia num mediático caso que decorreu nos tribunais californianos entre 2004 e 2005. Em 1993, Jackson já tinha sido acusado do mesmo crime.