Rádio Observador

Animais

Produtores pedem medidas de controlo da população de javalis após elevados prejuízos

Produtores de milho e proprietários rurais estão preocupados com os "avultados e crescentes" prejuízos agrícolas decorrentes do "aumento descontrolado" da população de javalis e exigem medidas.

O último balanço dos prejuízos provocados pelos javalis nas searas de milho dos associados da Anpromis, em 2018, aponta para cerca de 985 mil euros

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os produtores de milho e os proprietários rurais defenderam esta sexta-feira estar preocupados com os “avultados e crescentes” prejuízos agrícolas decorrentes do “aumento descontrolado” da população de javalis e pedem que as autoridades tomem medidas, à semelhança dos restantes Estados-membros.

“O aumento descontrolado da população de javalis, que se tem verificado nos últimos anos nosso país, está a causar avultados e crescentes prejuízos no setor agrícola nacional”, referiram, em comunicado, a Associação Nacional dos Produtores de Milho e Sorgo (Anpromis) e a Associação Nacional de Proprietários Rurais (ANPC).

De acordo com o último levantamento, os prejuízos provocados nas searas de milho dos associados da Anpromis representaram, em 2018, cerca de 985 mil euros.

A Anpromis e a ANPC reiteram a necessidade de as autoridades nacionais competentes, à semelhança do que está a ser efetuado noutros Estados-membros, tomarem as medidas necessárias, de uma forma livre, célere e concertada, revertendo a situação atual de descontrole que se vive em certas regiões do país”, vincaram

Para as duas associações, esta situação constitui uma “fonte crescente de risco sanitário para a suinicultura nacional” e é a causa de um “significativo aumento” do número de acidentes rodoviários originados nas estradas portuguesas, “não esquecendo também os enormes impactos que estes animais têm, quando em densidades excessivas, nos povoamentos florestais jovens e na vegetação em geral”.

Em 27 de fevereiro, a Anpromis e a ANPC participaram numa reunião com o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), promovida pela Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), onde foram debatidas medidas para controlar a situação.

Entre os principais pontos do debate estiveram a necessidade de “aumentar o esforço de caça e autorizar ações de controlo de densidade” para mitigar os prejuízos em determinadas culturas agrícolas mais intensivas. Por outro lado, as associações querem que seja inscrito no âmbito do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR), um concurso específico que permita o financiamento e a instalação de cercas.

“É fundamental a Direção-geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) e o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas estabelecerem, desde já, medidas para prevenir o possível aparecimento da peste suína africana em Portugal, nomeadamente através da diminuição das densidades excessivas de javalis”, lê-se no documento.

Por último, as entidades consideram “imperioso” uniformizar os critérios de apreciação de pedidos de controle da densidade ao nível das Direções Regionais Conservação Natureza e Florestas (DRCNF), “não criando entraves na apreciação dos pedidos de correção de densidades […], como tem sido prática”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)