Rádio Observador

Guiné-Bissau

Resultados provisórios das legislativas na Guiné-Bissau divulgados na quarta-feira

As primeiras horas após o fecho das urnas, no domingo, foram marcadas por várias reivindicações de vitória por parte de apoiantes e dirigentes secundários, mas até agora nenhum partido se pronunciou.

Em conferência de imprensa realizada em Bissau, a porta-voz da Comissão Nacional de Eleições pediu calma aos guineenses

PAULO CUNHA/LUSA

Os resultados provisórios das eleições legislativas na Guiné-Bissau serão divulgados na quarta-feira, disse esta segunda-feira a porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Felisberta Vaz.

Em conferência de imprensa realizada em Bissau, Felisberta Vaz pediu calma aos guineenses, lembrando que apenas a CNE “tem competências legais” para divulgar resultados da votação decorrida no domingo.

As primeiras horas após o fecho das urnas, no domingo, foram marcadas por várias reivindicações de vitória por parte de apoiantes e dirigentes secundários, mas, até ao momento, nenhum partido se pronunciou formalmente sobre os resultados.

Felisberta Vaz revelou que, neste momento, as Comissões Regionais de Eleições (CRE) estão a compilar os dados que estão a recolher dos responsáveis pelas assembleias de voto, através das atas sínteses.

Vaz indicou que até terça-feira a CNE, em Bissau, receberá os dados provenientes das CRE e na quarta-feira, em hora a indicar, procederá ao anúncio dos resultados oficiais provisórios.

Globalmente a responsável eleitoral destacou que “a votação decorreu positivamente” e que a taxa de participação “foi positiva”.

A porta-voz da CNE, também secretária-executiva adjunta do órgão, enalteceu o “brio profissional” dos agentes que trabalharam nas assembleias do voto, o trabalho das forças de segurança e o civismo de toda população guineense.

Cerca de 762 mil eleitores estavam em condições de votar no domingo para a escolha de 102 deputados ao parlamento, em representação de 21 partidos.

CEDEAO elogia caminho da Guiné-Bissau em direção à “estabilidade e democracia”

Também esta segunda-feira, o chefe da missão de observadores da Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO) nas legislativas da Guiné-Bissau saudou o processo eleitoral que ajuda o país num caminho “em direção à estabilidade e democracia”.

“Apresentamos as felicitações da CEDEAO pelas eleições ao Presidente, ao primeiro-ministro da Guiné-Bissau e ao próprio povo” pelos “progressos registados pelo país em direção à estabilidade e democracia”, afirmou Kadré Désiré Ouedraogo, ex-primeiro-ministro do Burkina Faso e antigo presidente da organização regional, após uma audiência com o chefe de Estado guineense, José Mário Vaz.

Salientando que a CEDEAO está a recolher informações dos 40 observadores espalhados pelo país para apresentar os resultados preliminares, Ouedraogo não quis indicar mais informações sobre o processo eleitoral.

“Exprimimos a nossa sincera gratidão pela audiência” de José Mário Vaz, disse o chefe da missão, considerando que “a Guiné-Bissau é um membro importante da CEDEAO”.

A CEDEAO foi uma das organizações que pressionou para a realização destas eleições legislativas, que tentam pôr fim a uma crise política de quatro anos, depois de o Presidente ter demitido o então primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, que contava com o apoio de uma maioria absoluta no Parlamento.

Desde então, foram nomeados vários governos de iniciativa presidencial que não contavam com o apoio parlamentar, criando uma situação de impasse só agora desbloqueada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)