A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SSI) revelou esta quinta-feira que o Serviço de Informações de Segurança (SIS) descartou a ligação do furto de material militar ao terrorismo, poucos dias após o roubo, em 2017.

Essa pista “foi devidamente despistada” pelo SIS “e não tem qualquer ligação a Tancos”, afirmou Helena Fazenda, que foi ouvida durante cerca de três horas na comissão parlamentar de inquérito ao furto de Tancos, parcialmente centrada numa reunião da Unidade de Coordenação Antiterrorista (UCAT), em 30 de junho, dois dias após o roubo.

Questionada sobre a chamada “lista de compras”, informação partilhada por serviços de informações estrangeiros sobre material militar que grupos criminosos estariam interessados em comprar, e que coincidia, em parte, com equipamento furtado, Helena Fazenda voltou a dizer que não havia relação.

A “lista de compras, num contexto de primeira avaliação, nada tem a ver com Tancos, absolutamente nada”, sublinhou Helena Fazenda que, disse, por diversas vezes, que se baseava em informações partilhadas com a UCAT.

A coordenadora das forças de segurança afirmou ainda que “objetivamente não há nenhuma ligação, de acordo com informação transmitida até ao momento” à UCAT com a organização separatista ETA, de Espanha.