Rádio Observador

Assédio Sexual

Presidente da Warner Bros demite-se por conduta sexual inapropriada

Está a ser investigada a relação do presidente da Warner Bros, Kevin Tsujihara, com a atriz Charlotte Kirk. Tsujihara terá prometido papéis em filmes para a atriz a troco de favores sexuais.

O presidente da Warner Bros, Kevin Tsujihara, fala na CinemaCon, em Las Vegas, em 2014

Michael Buckner/Getty Images for CinemaCon

O presidente da Warner Bros desde 2013, Kevin Tsujihara, demitiu-se após uma série de acusações de conduta sexual inapropriada lançadas num artigo do Hollywood Reporter. “Arrependo-me profundamente da vergonha pública que as minhas ações causaram à empresa”, afirmou Tsujihara num pedido de desculpas interno, a que o The Guardian teve acesso, continuando: “Percebi há algum tempo que tinham razão em esperar mais de mim, e desenhei um plano que me permita melhorar”.

O presidente da WarnerMedia, John Stankey, sublinhou que era “no melhor interesse da WarnerMedia, da Warner Bros, dos empregados e dos parceiros que o Kevin [Tsujihara] abandone o cargo”. Ainda assim, John Stankey garantiu que o agora ex-presidente tinha “contribuído imenso para o enorme sucesso do estúdio ao longo do últimos 25 anos”, e que Tsujihara “reconhece que os seus erros não são consistentes com as expetativas colocadas à liderança da empresa e podem pôr em causa o trabalho da Warner Bros no futuro“.

A WarnerMedia, proprietária da Warner Bros, está a investigar formalmente a conduta de Kevin Tsujihara, num processo com o ex-presidente da Warner Bros promete cooperar totalmente. John Stankey prometeu que o caso não voltaria a desestabilizar o trabalho da empresa.

O presidente da Warner Bros, com 54 anos, é acusado de oferecer papéis em filmes e facilidades no acesso a castings da Warner Bros à atriz britânica Charlotte Kirk, de 27 anos, com quem mantinha uma relação adúltera. A relação sexual terá surgido em 2013, imediatamente após uma introdução intermediada pelo investidor australiano James Packer. Na altura, Parker enviou um SMS à atriz a associar uma relação com o presidente da Warner Bros a possível sucesso na carreira de Charlotte Kirk: “Vem ter ao [Hotel] Bel agora. Não vais conseguir pagar-me de volta. Vou  apresentar-te ao homem mais importante que podes conhecer”.

Charlotte Kirk não encontrou grande sucesso quer no cinema quer na televisão, tendo papéis menores em “How to Be Single” e “Ocean’s 8”. As dificuldades em impor-se terão feito a atriz ameaçar tornar a relação pública, algo que Tsujihara considerou “extorsão”, numa mensagem a James Packer. Uma mensagem da atriz ao presidente da Warner Bros torna claras as expetativas de ambos na relação: “Eu sei que estás muito ocupado mas quando estávamos naquele motel a ter sexo tu disseste que me ias ajudar e agora estás a ignorar-me, e quando me ignoras eu sinto que estás só a usar-me. Vais ajudar-me como disseste que farias?”.

A relação terá terminado alguns anos depois, como admitiu a atriz à Fox News, acrescentando que estavam esquecidos “todos os problemas passados com o Kevin Tsujihara”, a quem desejava “só o melhor para os seus projetos futuros”. Ao Deadline, Charlotte Kirk admitiu que terá “cometido erros e feitos más escolhas”, pelas quais pediu desculpa, garantindo que crescera como pessoa, mulher e profissional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)