Assédio Sexual

Presidente da Warner Bros demite-se por conduta sexual inapropriada

Está a ser investigada a relação do presidente da Warner Bros, Kevin Tsujihara, com a atriz Charlotte Kirk. Tsujihara terá prometido papéis em filmes para a atriz a troco de favores sexuais.

O presidente da Warner Bros, Kevin Tsujihara, fala na CinemaCon, em Las Vegas, em 2014

Michael Buckner/Getty Images for CinemaCon

O presidente da Warner Bros desde 2013, Kevin Tsujihara, demitiu-se após uma série de acusações de conduta sexual inapropriada lançadas num artigo do Hollywood Reporter. “Arrependo-me profundamente da vergonha pública que as minhas ações causaram à empresa”, afirmou Tsujihara num pedido de desculpas interno, a que o The Guardian teve acesso, continuando: “Percebi há algum tempo que tinham razão em esperar mais de mim, e desenhei um plano que me permita melhorar”.

O presidente da WarnerMedia, John Stankey, sublinhou que era “no melhor interesse da WarnerMedia, da Warner Bros, dos empregados e dos parceiros que o Kevin [Tsujihara] abandone o cargo”. Ainda assim, John Stankey garantiu que o agora ex-presidente tinha “contribuído imenso para o enorme sucesso do estúdio ao longo do últimos 25 anos”, e que Tsujihara “reconhece que os seus erros não são consistentes com as expetativas colocadas à liderança da empresa e podem pôr em causa o trabalho da Warner Bros no futuro“.

A WarnerMedia, proprietária da Warner Bros, está a investigar formalmente a conduta de Kevin Tsujihara, num processo com o ex-presidente da Warner Bros promete cooperar totalmente. John Stankey prometeu que o caso não voltaria a desestabilizar o trabalho da empresa.

O presidente da Warner Bros, com 54 anos, é acusado de oferecer papéis em filmes e facilidades no acesso a castings da Warner Bros à atriz britânica Charlotte Kirk, de 27 anos, com quem mantinha uma relação adúltera. A relação sexual terá surgido em 2013, imediatamente após uma introdução intermediada pelo investidor australiano James Packer. Na altura, Parker enviou um SMS à atriz a associar uma relação com o presidente da Warner Bros a possível sucesso na carreira de Charlotte Kirk: “Vem ter ao [Hotel] Bel agora. Não vais conseguir pagar-me de volta. Vou  apresentar-te ao homem mais importante que podes conhecer”.

Charlotte Kirk não encontrou grande sucesso quer no cinema quer na televisão, tendo papéis menores em “How to Be Single” e “Ocean’s 8”. As dificuldades em impor-se terão feito a atriz ameaçar tornar a relação pública, algo que Tsujihara considerou “extorsão”, numa mensagem a James Packer. Uma mensagem da atriz ao presidente da Warner Bros torna claras as expetativas de ambos na relação: “Eu sei que estás muito ocupado mas quando estávamos naquele motel a ter sexo tu disseste que me ias ajudar e agora estás a ignorar-me, e quando me ignoras eu sinto que estás só a usar-me. Vais ajudar-me como disseste que farias?”.

A relação terá terminado alguns anos depois, como admitiu a atriz à Fox News, acrescentando que estavam esquecidos “todos os problemas passados com o Kevin Tsujihara”, a quem desejava “só o melhor para os seus projetos futuros”. Ao Deadline, Charlotte Kirk admitiu que terá “cometido erros e feitos más escolhas”, pelas quais pediu desculpa, garantindo que crescera como pessoa, mulher e profissional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)