Rádio Observador

Woody Allen

Amazon diz que comentários de Woody Allen sobre #MeToo “sabotaram” contrato

Woody Allen tinha um contrato com os estúdios da Amazon para a produção de quatro filmes. Mas a empresa suspendeu o contrato. Diz que os comentários sobre o #MeToo sabotaram os esforços da produção.

Getty Images

Depois de Woody Allen ter exigido à Amazon uma indemnização milionária por quebra de contrato, a empresa respondeu dizendo que os comentários de Allen sobre o movimento #MeToo “sabotaram” o trabalho desenvolvido no âmbito do contrato, o que justificou a quebra.

O realizador norte-americano tinha um vínculo com os estúdios da Amazon para a produção de quatro filmes, mas a empresa denunciou o contrato após o escândalo em volta do alegado abuso sexual de Woody Allen sobre a filha, Dylan Farrow.

Em fevereiro, Allen acusou a Amazon de ir buscar uma “acusação infundada de há 25 anos” para pôr termo à ligação e exigiu uma indemnização de 68 milhões de dólares (60 milhões de euros).

Agora, a Amazon veio explicar o que esteve na origem da decisão. Na resposta, com data desta quarta-feira e citada pelo jornal britânico The Guardian, a empresa lembra como em agosto de 2017 celebrou um acordo com Woody Allen para a aquisição de direitos respeitantes aos próximos quatro filmes do realizador.

Pouco mais de um mês depois da celebração desse contrato, em outubro do mesmo ano, o filho de Allen, Ronan Farrow, publicou um artigo de investigação na revista The New Yorker sobre os abusos cometidos pelo produtor Harvey Weinstein — na origem do movimento #MeToo.

A reação de Woody Allen a esse artigo não satisfez a Amazon. Na altura, à BBC, Woody Allen disse que toda a história à volta de Harvey Weinstein era “triste para todos os envolvidos”. Tanto para as “pobres mulheres” como para o produtor.

Woody Allen foi mais longe e ainda criticou a “atmosfera de caça às bruxas” em que “qualquer homem num escritório que pisque o olho a uma mulher tem imediatamente de telefonar a um advogado para o defender”.

A Amazon explica que estes comentários feitos por Woody Allen mostram que o realizador não percebeu “a gravidade do assunto” nem “as implicações para a sua própria carreira”. “Allen expressou simpatia por Weinstein e pelas vítimas, descrevendo a situação como ‘triste para todos os envolvidos'”, sublinhou a empresa.

Mais tarde, Woody Allen viria também a criticar a intervenção pública da sua filha, Dylan, que voltou a falar da acusação que já tinha feito há mais de duas décadas, afirmando que “a família Farrow está a usar de forma cínica a oportunidade” dada pelo movimento #MeToo para “repetir esta alegação desacreditada”.

Em junho do ano passado, Woody Allen disse que devia ser “o rosto do movimento #MeToo”. “Trabalho há 50 anos na indústria do cinema. Trabalhei com centenas de atrizes — grandes atrizes, atrizes famosas, algumas a começarem a carreira –, e nunca nenhuma sugeriu nenhum tipo de comportamento indecente”, disse na altura o realizador.

Para a Amazon, todos estes comentários de Allen durante o período em que o contrato estava a ser executado “sabotaram” o esforço da empresa em promover os filmes do realizador.

“Os comentários de Allen surgiram precisamente quando a Amazon e Allen estavam a preparar-se para promover o filme de Allen Wonder Wheel, efetivamente sabotando esses esforços. Entendidas no contexto maior, as ações de Allen e as suas consequências em cascata asseguraram que a Amazon poderia, possivelmente, nunca receber o benefício do acordo para os quatro filmes”, lê-se no documento.

Quando foi terminada a pós-produção do filme A Rainy Day in New York, a Amazon cancelou o contrato. Depois, na sequência de novas alegações contra Allen, o lançamento do filme foi suspenso — até hoje, não há data para a estreia da película.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)