Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida (ISPA) fez um estudo que concluiu que o uso excessivo das redes sociais e da Internet ”contribui para o sentimento de solidão”.

A investigação foi feita por Rui Costa e Ivone Patrão, que procuraram ”avaliar a relação entre o uso problemático da Internet e o grau de interação social”, disse o ISPA em comunicado. Os resultados mostram que mesmo que as pessoas tenham boas relações familiares e sociais, ”a comunicação online não proporciona a riqueza sensorial que o cérebro necessita para que se gerem sentimentos de conexão social”, ou seja, conversar com alguém online não estimula o cérebro da mesma forma que uma conversa presencial, que transmite informação ao nível dos ”sentidos face a- ace e do feedback corporal”.

”A comunicação online contribui em grande parte para o desenvolvimento de sentimentos de solidão, conduzindo a efeitos nefastos para a saúde mental incluindo ansiedade e mesmo depressão”, concluiu o estudo.

Mas o sentimento de solidão pode passar despercebido: os utilizadores podem sentir que precisam de mais contactos online, mas, na verdade, isto só se torna num ”ciclo vicioso de dependência das tecnologias de comunicação”.

O estudo foi feito com 548 adolescentes e jovens dos 16 aos 26 anos e explorou o impacto da Internet em relações amorosas, de amizade e familiares.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR