As peças de preferência seriam jantes e pneus de carro. No Norte do país, e durante cerca de 2 anos, várias garagens coletivas foram alvo de furto. Contam-se mais de uma centena de vítimas, noticia o Jornal de Notícias. Agora, estão a ser todos acusados pelo Ministério Público do Porto de dezenas de furtos.

De acordo com a acusação do Ministério Público, entre abril de 2016, e início de 2018, foram assaltadas 39 garagens coletivas, sendo que, regra geral, mais do que um veículo em cada uma delas. Os dois indivíduos, de 36 e 40 anos, estão atualmente em prisão preventiva. Para além deles, entre os cinco arguidos, há dois indivíduos de um stand de automóveis de Braga, que terão lucrado dezenas de milhares de euros.

Num só assalto, na cidade da Maia, os indivíduos retiraram quatro jantes de um Mercedes, que foram avaliadas em cinco mil euros; dois bancos especiais do mesmo carro, que valem 10 mil euros; e ainda jantes e pneus de um Lexus, que valem mais de 2500 euros.  Cada assalto era muito rentável, e depois de fazerem o serviço, as peças eram escoadas no mercado paralelo, e através de anúncios em sites especializados.