Neurociência

Como uma pancada na cabeça transforma um homem comum num génio

620

Não experimente em casa, mas descubra como um homem que só pensava em festas se tornou num génio da matemática capaz de ver fórmulas em tudo o que o rodeia.

Jason Padgett nem sequer gostava de matemática e agora tornou-se um génio

Meredith Frost/ABC News/Vimeo

Jason Padgett era um bon vivant: miúdas, festas, álcool e ressacas. Mas uma agressão à porta de um bar mudou-lhe a vida para sempre: fechou-se em casa e passou a ver fórmulas matemáticas em tudo o que o rodeava. Foi numa sexta-feira 13, em setembro de 2002, mas nem tudo é azar. A história foi contada no podcast Outlook da BBC e recordado agora na rubrica Future.

“Era muito superficial”, diz. “A vida girava à volta de miúdas, festejar, beber, acordar com uma ressaca e depois sair atrás das raparigas e ir para os bares outra vez.” E foi precisamente à saída de um bar que tudo aconteceu: uma agressão forte da cabeça, um soco na barriga e um casaco de cabedal usado roubado.

Na altura viu um clarão, como um flash, e caiu de joelhos, no hospital deram-lhe medicação contra as dores, mas só quando chegou a casa se apercebeu que algo tinha mudado. Um traumatismo craniano como o que tinha sofrido pode deixar sequelas, como um transtorno obsessivo-compulsivo. Jason Padgett passou a ter pavor de sair de casa e só o fazia para ir comprar comida.

Mas mais estranho do que isso foi a maneira como o antigo comercial começou a olhar para as coisas: “Tudo o que era curvo parecia levemente pixilizado”. Padgett via pequenos quadrados (como os pixels das imagens) em todas as linhas e superfícies. Os quadrados perfeitos tornaram-se uma paixão — e uma obsessão. “Não é só o quadrado perfeito, é dois elevado a quatro ou quatro ao quadrado, mas gosto de quadrados perfeitos… Faço isso automaticamente com tudo.” É por isso que molha a escova 16 vezes antes de lavar os dentes.

À volta com os seus quadrados e fechado em casa, Padgett procurou informação na internet e descobriu os fractais — formas geométricas que mantêm um padrão repetitivo mesmo quando se veem pormenores mais pequenos da imagem. A ligação entre a matemática e a física fascinavam-no e começou a desenhar para tentar resolver os problemas e dúvidas que enfrentava. “Eu tinha, literalmente, mil ou mais desenhos de círculos, fractais, todas as formas que fosse capaz de desenhar. Era a única forma de comunicar eficazmente aquilo que estava a ver”, disse Jason Padgett.

Os desenhos eram tão importantes para Padgett que os levava para todo o lado, incluindo nos raros momentos que saía de casa. Numa dessas ocasiões foi abordado por um homem, um físico, que reconheceu nos desenhos um trabalho notável e o aconselhou a frequentar aulas de matemática para o ajudar a resolver os problemas que lhe ocupavam a mente. Depois de três anos e meio de clausura, a vida de Padgett voltou a mudar, iniciou o tratamento para transtorno obsessivo-compulsivo e conheceu a mulher com quem viria a casar.

Só depois de conhecer Berit Brogaard, neurocientista na Universidade de Miami, Jason Padgett percebeu o que lhe podia ter acontecido: a lesão cerebral causada pelo traumatismo podia ter-lhe criado novas ligações no cérebro. Sinestesia é o termo usado para quando as ligações se cruzam e misturam e quando o estímulo de um sentido pode originar reações no outro, como quando a pessoa vê cores ao ouvir determinados sons.

A lesão e as novas ligações cerebrais também pareciam explicar como é que Padgett, que nunca gostara de matemática — nem lhe via qualquer utilidade —, se transformou num matemático. Em 2014, publicou um livro sobre a sua história: “Struck by Genius: How a Brain Injury Made Me a Mathematical Marvel” (“Atingido por um génio: como uma lesão cerebral me tornou um prodígio matemático”). Dois anos depois, o livro deu origem a um filme.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)