Pastel de Nata

Será o pastel de nata o próximo croissant? Bloomberg mostra como o bolo português é um sucesso internacional

1.162

Há dez anos, estava "limitado à obscuridade". Agora, o pastel de nata é um caso mundial, desde Manhattan à Coreia do Sul, passando por Londres ou Singapura, diz a Bloomberg.

Em 2018, o Lidl chegou a vender 2.000 pastéis de nata por hora nos seus supermercados britânicos

“Uma sobremesa improvável está a caminho de se tornar tão omnipresente quanto o croissant“. A frase é ousada mas, segundo a Bloomberg, está cada vez mais perto de se tornar uma realidade. Numa reportagem publicada esta segunda-feira, a agência analisou o crescimento dos típicos pasteis de nata portugueses e chegou a uma conclusão: já não é só em Portugal que se come este bolo. O pastel de nata é apresentado como um caso de sucesso internacional.

Se há uma década o pastel de nata “estava limitado à obscuridade” e era necessário viajar para Portugal para o provar, agora a iguaria portuguesa começa a surgir em supermercados, confeitarias e padarias de todo o mundo, desde os Estados Unidos a Singapura, revela a reportagem. Quanto aos preços, nos cafés londrinos um pastel de nata chega a custar até três libras (cerca de 3,48 euros), enquanto em Portugal está à venda a um euro nas lojas mais frequentadas. E é sobretudo no Reino Unido onde o impacto das vendas deste doce é bem visível. Em 2018, por exemplo, o Lidl chegou a vender 2.000 pastéis de nata por hora nos seus supermercados britânicos.

“Culturalmente, Portugal é uma visita obrigatória na lista de viajantes internacionais e as rendas económicas de Lisboa estão a criar um centro de tecnologia para a geração millenial que sai de Londres e de Nova Iorque”, refere a agência, dando ainda o exemplo de como o chef George Mendes, que já ganhou uma estrela Michelin, apresentou o doce há um ano e meio em Manhattan, depois de o ter conhecido em Connecticut, onde há uma comunidade portuguesa bastante significativa e onde os pastéis de nata são vendidos nas típicas pastelarias e cafés. A ajudar à festa, refere a reportagem, “o famoso pastel de Belém dos azulejos azul e branco foi feito para o gabarito do Instagram, apesar de ter sido fundado em 1837”.

Ainda segundo a Bloomberg, este crescimento do pastel de nata é, em parte, alimentado pela promoção que o Governo português tem feito para aumentar as exportações deste produto, como é exemplo o apoio ao 2018 Nata Festival, em Londres. Outra das razões para este crescimento, acrescenta a agência, passa pelo negócio Nata Pura, uma empresa fundada em Vila Nova de Gaia, “que procurou fazer com as natas o que a Dunkin Donuts fez com os donuts”, ou seja, adaptou o doce aos gostos locais, mesmo que isso significasse algum descontentamento dos portugueses que são fiéis à receita original dos pastéis de nata.

Em 2016, a Nata Pura foi financiada pela sociedade de capital de risco Portugal Ventures. Agora, vende cerca de 500 mil natas por mês em 5.000 lojas espalhadas pelo mundo, faturando entre 1,5 a dois milhões de euros por ano. Mais de um terço das encomendas vêm da Coreia do Sul.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)