Rádio Observador

Pastel de Nata

Será o pastel de nata o próximo croissant? Bloomberg mostra como o bolo português é um sucesso internacional

1.162

Há dez anos, estava "limitado à obscuridade". Agora, o pastel de nata é um caso mundial, desde Manhattan à Coreia do Sul, passando por Londres ou Singapura, diz a Bloomberg.

Em 2018, o Lidl chegou a vender 2.000 pastéis de nata por hora nos seus supermercados britânicos

“Uma sobremesa improvável está a caminho de se tornar tão omnipresente quanto o croissant“. A frase é ousada mas, segundo a Bloomberg, está cada vez mais perto de se tornar uma realidade. Numa reportagem publicada esta segunda-feira, a agência analisou o crescimento dos típicos pasteis de nata portugueses e chegou a uma conclusão: já não é só em Portugal que se come este bolo. O pastel de nata é apresentado como um caso de sucesso internacional.

Se há uma década o pastel de nata “estava limitado à obscuridade” e era necessário viajar para Portugal para o provar, agora a iguaria portuguesa começa a surgir em supermercados, confeitarias e padarias de todo o mundo, desde os Estados Unidos a Singapura, revela a reportagem. Quanto aos preços, nos cafés londrinos um pastel de nata chega a custar até três libras (cerca de 3,48 euros), enquanto em Portugal está à venda a um euro nas lojas mais frequentadas. E é sobretudo no Reino Unido onde o impacto das vendas deste doce é bem visível. Em 2018, por exemplo, o Lidl chegou a vender 2.000 pastéis de nata por hora nos seus supermercados britânicos.

“Culturalmente, Portugal é uma visita obrigatória na lista de viajantes internacionais e as rendas económicas de Lisboa estão a criar um centro de tecnologia para a geração millenial que sai de Londres e de Nova Iorque”, refere a agência, dando ainda o exemplo de como o chef George Mendes, que já ganhou uma estrela Michelin, apresentou o doce há um ano e meio em Manhattan, depois de o ter conhecido em Connecticut, onde há uma comunidade portuguesa bastante significativa e onde os pastéis de nata são vendidos nas típicas pastelarias e cafés. A ajudar à festa, refere a reportagem, “o famoso pastel de Belém dos azulejos azul e branco foi feito para o gabarito do Instagram, apesar de ter sido fundado em 1837”.

Ainda segundo a Bloomberg, este crescimento do pastel de nata é, em parte, alimentado pela promoção que o Governo português tem feito para aumentar as exportações deste produto, como é exemplo o apoio ao 2018 Nata Festival, em Londres. Outra das razões para este crescimento, acrescenta a agência, passa pelo negócio Nata Pura, uma empresa fundada em Vila Nova de Gaia, “que procurou fazer com as natas o que a Dunkin Donuts fez com os donuts”, ou seja, adaptou o doce aos gostos locais, mesmo que isso significasse algum descontentamento dos portugueses que são fiéis à receita original dos pastéis de nata.

Em 2016, a Nata Pura foi financiada pela sociedade de capital de risco Portugal Ventures. Agora, vende cerca de 500 mil natas por mês em 5.000 lojas espalhadas pelo mundo, faturando entre 1,5 a dois milhões de euros por ano. Mais de um terço das encomendas vêm da Coreia do Sul.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto
106

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)