Rádio Observador

Reciclagem

Novo contentor de reciclagem chega em breve: será o ecoponto castanho

2.369

O novo ecoponto destina-se a lixo orgânico e a sua utilização permite produzir energia e aproveitar o composto. O contentor já é utilizado em indústria e pode agora ficar acessível à população.

O objetivo do contentor castanho é diminuir o desperdício e aproveitar material orgânico para venda

ESTELA SILVA/LUSA

Portugal vai ter muito em breve um novo contentor de reciclagem nas ruas. Trata-se do ecoponto castanho e destina-se ao lixo orgânico. O contentor já existe em restaurantes e indústrias mas vai estar agora acessível a todos os cidadãos.

“O país está a preparar-se para ter uma recolha de orgânicos ao cidadão. É uma coisa que vai acontecer muito em breve: será o ecoponto castanho, eu diria”, explica à TSF Ana Loureiro, responsável da comunicação da EGF — Environment Global Facilities.

Depois de recolhido, o lixo orgânico é transformado num composto que pode ser vendido, assim como a energia que resulta do processo.

A chegada de um ecoponto público de orgânicos permitirá que estações como a Valorsul SA — Estação de Tratamento e Valorização Orgânica — tenham mais resíduos para tratar. Assim, pode ser produzida mais energia elétrica e a venda de composto é aumentada.

A compostagem tem o objetivo de diminuir o desperdício e aumentar a produção de composto orgânico. Já existem alguns compostores nas casas dos portugueses, utilizados para jardinagem. “É a prevenção no seu melhor, conseguirmos separar os resíduos domésticos e produzir o seu próprio composto para uma horta, um jardim”, refere Ana Loureiro.

Para as estações, é importante motivar os portugueses a aderirem à compostagem e a utilizarem de forma correta o novo ecoponto castanho. “O comportamento é incentivado e depois há que o manter e não irmos descobrir compostores com outras coisas lá dentro que não seja o motivo pelo qual foi oferecido”, sublinha a funcionária da EGF.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)