Dez dias depois de a Indonésia ter realizado as maiores eleições do mundo num só dia, a 17 de abril, as autoridades do país anunciaram a morte de mais de 270 trabalhadores eleitorais a maioria terá sido vítima de doenças relacionadas com cansaço provocado pelas longas horas de trabalho a contar milhões de votos. De acordo com a BBC, foram estiveram cerca de sete milhões de pessoas na contagem manual de milhões de boletins de voto.

Nestas votações, que combinaram eleições presidenciais e parlamentares numa só, afluíram às urnas 80% do total de 193 milhões de eleitores, em que cada um teve de preencher até 5 boletins de voto em mais de 800 mil mesas de voto. Este  gigantesco processo logístico acabou por custar vidas: até à noite de sábado, 26 de abril, 272 funcionários eleitorais morreram, revelou Arief Priyo Susanto, porta-voz da comissão eleitoral do país (KPU) no domingo, acrescentando que 1.878 adoeceram na sequência do excesso de trabalho.

Urnas encerraram na Indonésia, candidatos presidenciais otimistas com resultados

De acordo com o The Guardian, Susanto garante que o Ministério da Saúde do país está a assegurar todos os cuidados médicos aos doentes e que o Ministério das Finanças está diligenciar no sentido indemnizar as famílias das vítimas mortais.

O governo está a ser duramente criticado por combinar duas eleições numa só — presidenciais e parlamentares nacionais e regionais — com o objetivo de cortar custos. “O KPU não foi prudente na gestão da carga de trabalho do pessoal”, disse Ahmad Muzani, vice-presidente da campanha do candidato presidencial da oposição, Prabowo Subianto.

A contagem dos votos ainda não terminou e a comissão de eleitoral só anunciará os resultados a 22 de maio. Entretanto, tanto o presidente Joko Widodo quanto Prabowo Subianto declararam vitória, embora algumas contagens rápidas dos votos sugiram que Widodo tenha vencido a eleição por cerca de 9-10 pontos percentuais.