Rádio Observador

IPO

Constrangimentos financeiros fazem IPO recusar análises a doentes com cancro. Vários acabaram por morrer

9.012

De acordo com o deputado do PSD, Cristóvão Norte, doentes com cancro terão morrido enquanto esperavam pelo resultado de análises. O atraso do IPO de Lisboa prende-se com constrangimentos orçamentais.

Resultados das análises permitem escolher a terapia mais adequada a cada doente

MICHAEL M. MATIAS /OBSERVADOR

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

Vários doentes internados em hospitais do Algarve morreram porque as análises feitas pelo IPO não chegaram a tempo de ser iniciada uma terapia conveniente. De acordo com o deputado do PSD, Cristóvão Norte, que denuncia o caso, as análises não foram entregues a tempo porque os hospitais algarvios não deram ao IPO de Lisboa garantias financeiras de que as podiam pagar.

“Os doentes com cancro precisam de análises para que lhes seja aplicada uma terapia e essas análises não foram feitas atempadamente”, começa por explicar o social-democrata, eleito pelo círculo de Faro à Rádio Renascença.

“Quando um dado hospital pretende que se realize uma análise, emite um termo de responsabilidade. Se não tiver verbas suficientes não é suscetível de emitir esse termo. Segundo aquilo que foi possível apurar, o IPO rejeitou a realização atempada das análises, na medida em que não tinha sido emitido o termo de responsabilidade”, continua.

Os casos denunciados pelo deputado social-democrata, eleito pelo círculo de Faro, terão acontecido entre dezembro de 2018 e março de 2019 e a “gravidade destas denúncias e amputação dos direitos destes cidadãos” vão fazê-lo encaminhar as “provas contundentes” para a Procuradoria-Geral da República.

“Mais do que uma pessoa veio a falecer sem conhecer os resultados das análises”, sendo que vários outros doentes terão sido afetados por este constrangimento.

PSD pede explicações

Perante estas informações o PSD quer ouvir no parlamento a ministra da Saúde e as administrações do Instituto Português de Oncologia e do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) .

A denúncia noticiada pela Rádio Renascença e Correio da Manhã nesta quarta-feira foi depois repetida em conferência de imprensa no parlamento.

De acordo com o deputado eleito pelo círculo de Faro, há pelo menos cinco casos em Portimão e “um número indeterminado” em Faro de doentes oncológicos já diagnosticados e que necessitariam de uma análise realizada no IPO para que lhes fosse aplicada a terapêutica.

“Durante quatro meses, entre dezembro de 2018 e março de 2019, tal não sucedeu, ou nos casos em que essas análises vieram a ser feitas, foi só depois de pedidos insistentes dos médicos e perante o desespero das famílias”, afirmou.

Segundo Cristão Norte, “morreram pessoas sem conhecer o resultado das análises e sem ter direito a qualquer tratamento”.

“Tenho provas concludentes destes factos que apresentarei de imediato à Procuradoria Geral da República para que avalie em que medida deve ou não proceder à abertura de um inquérito para apurar responsabilidades”, referiu, considerando que tal representa “uma flagrante violação dos direitos” dos cidadãos e “uma cruel desumanização” do Serviço Nacional de Saúde.

Por outro lado, o grupo parlamentar do PSD entregou na comissão parlamentar de Saúde um requerimento para que sejam ouvidos, “com caráter de urgência”, a ministra da Saúde, Marta Temido, e as administrações do IPO e do CHUA.

“Não excluímos neste momento que esta circunstância tenha tido lugar exclusivamente no Algarve, mas não excluímos que possa haver um número muito maior de casos”, alertou, apontando que as explicações que obteve do CHUA se prendem com constrangimentos financeiros que o impediram de emitir a nota de encomenda que estabelece a garantia de pagamento da análise, o que levou o IPO a rejeitar os pedidos.

“Se houver mais instituições que se encontram em situação financeira limite — e sabemos que no caso da saúde a desorçamentação com este Governo tem sido um facto incontroverso — o que pode estar em causa não é exclusivamente o Algarve”, acrescentou.

(notícia atualizada às 13h52 com a tomada de posição do PSD) 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Na defesa do IPO de Lisboa

Fernando Leal da Costa
550

O IPO de Lisboa, os seus doentes e quem deles cuida, precisam de quem os defenda. Há urgência em contratar pessoal para que se resolver a lista de espera e, sobretudo, que se construa o novo edifício.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)