Rádio Observador

Praia

Alerta antes de fim-de-semana de calor: há alforrecas na Costa da Caparica

1.147

Junta de Freguesia da Costa da Caparica faz alerta a banhistas antes de fim-de-semana de calor: há alforrecas e caravelas-portuguesas na praia.

Mário Caldeira/LUSA

O aparecimento de águas-vivas [alforrecas] e caravelas-portuguesas nas praias da Costa de Caparica, no concelho de Almada, levou a junta de freguesia a alertar os banhistas sobre cuidados a ter, enquanto a autoridade marítima acompanha o fenómeno.

Segundo explicou à Lusa o presidente da Junta de Freguesia da Costa de Caparica, José Dias Martins, a autarquia foi informada do “aparecimento no areal e espelho de água” da frente marítima entre a Cova do Vapor e a Fonte da Telha de “águas-vivas [alforrecas] e caravelas-portuguesas”.

“Vamos ter uma situação anómala”, admitiu o autarca, com base numa informação da Capitania do Porto de Lisboa, para a ocorrência de “uma grande quantidade” de organismos marinhos do tipo da caravela-portuguesa (“Physalia physalis”), dotadas de células urticantes, em particular nos seus tentáculos.

Perante o aviso das autoridades marítimas, e face ao previsto aumento da temperatura durante o fim de semana, José Dias Martins adiantou que os serviços de salubridade da Câmara de Almada vão efetuar “um reforço da limpeza do areal para recolher o máximo possível de organismos que estejam na praia”.

Embora a época balnear tenha início oficialmente em 15 de maio, o presidente da junta explicou que, além do reforço da limpeza, os apoios de praia que já possuam nadadores-salvadores vão hastear a bandeira vermelha, para proibir banhos, caso seja detetada a presença deste tipo de organismos, muito comuns nos Açores e na Madeira.

Um aviso à população, publicado pela junta de freguesia na rede social Facebook, remete para os cuidados a ter em caso de contacto, incluindo picadelas, com este tipo de organismos gelatinosos nas praias, como a medusa (ou alforreca) e a caravela-portuguesa, divulgados na página do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O comandante Fernando Pereira da Fonseca, da Autoridade Marítima Portuguesa, confirmou à Lusa que foram detetadas águas-vivas e caravelas-portuguesas principalmente na Costa de Caparica e alguns exemplares nas praias de Carcavelos e de São Pedro do Estoril, no concelho de Cascais.

O porta-voz da Autoridade Marítima salientou, no entanto, que o avistamento nas praias de Cascais foi apenas de “dois ou três exemplares”, que podem ter sido arrastados por influência dos ventos e correntes, sendo até ao momento enquadrados como um “fenómeno de natureza esporádica”.

De acordo com Pereira da Fonseca, a Autoridade Marítima está a acompanhar a evolução da situação e, caso se confirme o risco acrescido de aumento da presença destes organismos, poderá emitir ainda hoje um aviso para as zonas afetadas.

As previsões meteorológicas apontam para um forte aumento da temperatura até segunda-feira no continente, podendo no domingo ser superior a 30 graus e chegar mesmo a máximos entre os 35 e os 37 graus no Vale do Tejo e Alentejo, informou o IPMA.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)