Nigel Farage, o candidato do Partido do Brexit, exaltou-se numa entrevista em estúdio na BBC perante questões relacionadas com o aquecimento global, o serviço nacional de saúde britânico e a sua opinião sobre Vladimir Putin. Irritado, o homem que fundou há um mês um partido que está em alta nas sondagens para as eleições europeias, Farage disse que esta era a “pior entrevista de sempre” e acusou o jornalista Andrew Marr de não estar preparado para fazer as questões que “realmente interessam”.

“Você está em negação. A BBC está em negação. E parece-me que vão ter uma surpresa”, afirmou Farage. Veja o vídeo.

A primeira pergunta do jornalista foi sobre se Farage ainda achava que falar sobre o aquecimento global é a coisa mais estúpida de sempre. “O que eu acredito é que se decidirmos aplicar impostos enormes no Reino Unido, lançando centenas de milhares de pessoas para o desemprego, quando produzimos menos de 2% do CO2 a nível global, isso não é muito inteligente”, disse Farage.

O ex-líder do UKIP, que saiu do partido independentista para fundar o The Brexit Party, ainda respondeu a esta questão, mas logo aí começou a mostrar que não estava a gostar do rumo da conversa. “Aqui estamos nós, perante uma das maiores mudanças políticas de toda a história e vocês não estão interessados nisso! O que é que se está a passar na BBC?”, atirou.

Nigel Farage. O homem do pub que abala a Europa desde 1999

Em resposta, o entrevistador, Andrew Marr, perguntou a Farage se ainda acha que se deve recuar nas políticas de controlo de armas de fogo. Farage não respondeu, retorquindo: “ouça, isto resume a minha posição: eu tenho estado a viajar pelo país, a falar em comícios totalmente lotados, e sabe quem é que não aparece lá para fazer a cobertura? A BBC. E pela linha de perguntas que me estão a ser feitas, já percebo porquê”.

“Vamos falar sobre democracia. Vamos falar sobre confiança. Vamos falar sobre confiança na política. Isto é ridículo”.

Andrew Marr continuou a fazer perguntas sobre as posições políticas concretas de Farage, designadamente se ainda defendia que pessoas com HIV não deviam poder entrar no país. A resposta: “Se acho que o Serviço Nacional de Saúde deve existir para o benefício dos britânicos? Acho que sim, absolutamente”.

Aí, o caldo entornou-se. “Nunca na minha vida vi uma entrevista mais ridícula do que esta. Você não está preparado para falar sobre o que se passa neste país, neste momento. Você está em negação. A BBC está em negação. Os partidos trabalhista e conservador estão em negação. Vocês estão todos prestes a ter uma surpresa bem maior do que imaginam”.

O entrevistador ripostou perguntando a Farage se “ainda admira Vladimir Putin”, o presidente russo? “Não. Eu nunca admirei Vladimir Putin”, garante Farage, lembrando que a entrevista antiga citada pelo jornalista dizia que ele o admirava enquanto “operacional”, não enquanto pessoa. “Qual é a sua pergunta? Qual é a relevância disto?”.

A mensagem de Farage parece estar a ter sucesso entre os eleitores, com uma sondagem citada este domingo pela imprensa britânica a dizer que o Brexit Party disparou nas intenções de voto nas próximas eleições europeias, com 34%. O partido trabalhista não vai além dos 21% e os conservadores 11%.

Esta sondagem, da Opinium, está a causar o pânico entre os maiores partidos britânicos, escreve o The Guardian.

Nigel Farage: “Para seu bem, quanto mais cedo Portugal sair do euro, melhor”

Nigel Farage: Portugal “tem mais 20 anos de austeridade pela frente”