Rádio Observador

Saúde

O frio vai voltar. Saiba o que acontece ao nosso corpo quando de um dia para o outro as temperaturas baixam 10ºC

1.334

O sistema imunitário fica mais permeável a vírus e quem sofre de asma ou de alergias tem tendência a ter mais crises de tosse e de falta de ar. Com mudanças tão abruptas, até o risco de AVC aumenta.

Getty Images

Deverá voltar a acontecer esta quinta-feira — depois de dias de calor, eis que o inverno está novamente a caminho, com as temperaturas a caírem 10ºC ou mais graus em todo o país. Problema: não é apenas a toalha de praia que tem de dar lugar ao casaco. Quando as alterações são tão acentuadas e repentinas, o mais certo é que o organismo, como não tem tempo suficiente para se ajustar, se ressinta e se torne mais permeável a vírus e doenças.

Estas alterações, que antes não eram tão frequentes nem marcadas, afetam a saúde das pessoas e provocam desequilíbrios múltiplos nos vários órgãos e sistemas, mas sobretudo ao nível do sistema cardiovascular”, explica ao Observador o cardiologista Manuel Carrageta.

O perigo de AVC

Quando de um dia para o outro a temperatura cai tantos graus, a tensão arterial segue o caminho inverso: com o frio, e graças à necessidade que o corpo passa a ter de conservar em si o calor, as artérias contraem-se e o sangue dentro delas fica mais apertado e com dificuldade em circular. Isso leva a um aumento da tensão arterial que, no limite, pode ser responsável por acidentes vasculares cerebrais (AVC) ou enfartes do miocárdio.

Quando há uma baixa repentina de temperatura já sei que o meu telefone vai começar a tocar, com as pessoas todas a ligar-me e a dizerem que lhes subiu a tensão arterial. É por isso que no inverno as unidades coronárias ficam cheias, há muito mais enfartes no inverno do que no verão“, acrescenta Manuel Carrageta.

Já quando a mudança é a inversa e o organismo passa do frio para o calor, em vez de vasoconstrição há vasodilatação, o que faz com que o esforço exigido para fazer o sangue circular pelo corpo aumente e a tensão arterial baixe, provocando tonturas, perda de forças e até desmaios. “Ainda assim é pior e mais perigoso passar do calor para o frio do que o contrário”, garante o especialista.

Estudos científicos estabelecem esta correlação: quando há baixas acentuadas e repentinas de temperatura, bem como alterações abruptas nos níveis de humidade relativa do ar e da pressão atmosférica, os riscos de AVC aumentam, sobretudo para os grupos de risco mas também para a população em geral. Não são os únicos.

E, claro, a gripe

Como o organismo passa a ter de despender mais energia para se manter quente, o sistema imunitário fica mais debilitado, o que pode abrir portas a vírus, como o da gripe. Como se isto não bastasse, em ambientes frios e com baixa humidade os vírus não só são mais facilmente transmitidos como até se tornam mais resistentes . Se ainda juntarmos à equação o facto de, quando a temperatura ou a chuva cai, as pessoas tenderem a juntar-se em espaços fechados, estão reunidas as condições ideais para a propagação de constipações, amigdalites ou até gripes.

Há uma clara relação entre as temperaturas mais baixas e a gripe e outros vírus respiratórios mas, falando da experiência de quem faz urgência, sei que as coisas não tendem a ser muito problemáticas quando há estas alterações repentinas”, diz ao Observador o pneumologista Tiago Alfaro.

De acordo com o especialista, as mudanças bruscas de temperatura, no caso do sistema respiratório, podem ser preocupantes mas apenas em casos de pessoas com patologias associadas, não saudáveis. Para isso, explica, contribui a grande capacidade de adaptação do sistema composto por nariz, faringe, laringe, traqueia, brônquios e pulmões: “O aparelho respiratório consegue adaptar-se a quase tudo no espaço de horas”.

Na prática, asmáticos, alérgicos e pacientes com insuficiências respiratórias “muito avançadas”, como doença pulmonar obstrutiva crónica ou fibrose pulmonar, serão os mais afetados por alterações drásticas do tempo, no sentido calor-frio. “Não é tanto o efeito da queda da temperatura, mas da humidade; o tempo mais seco e frio tem tendência a fazer aumentar as crises de asma”, explica o especialista.

Tendo em conta os números associados à doença em Portugal, pelo menos 700 mil pessoas podem ser afetadas por este regresso ao inverno, e sofrerem com mais “crises de tosse ou falta de ar”. O panorama não é mais animador para quem sofre de alergias — só vai afetar significativamente mais pessoas, ou não fosse um terço da população portuguesa alérgica: “O vento e as tempestades que frequentemente acompanham estas mudanças na temperatura podem também levar a alterações de pólens e ao aumento de crises”, diz Tiago Alfaro.

A parte positiva (ou nem por isso)? O tempo mais frio deve durar menos de uma semana e na próxima quarta-feira, dia 22, os termómetros já deverão começar novamente a subir para se aproximarem dos 30ºC.  Veremos depois se (ou por quanto tempo) se mantêm.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpereirinha@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)