Greve

Trabalhadores da TST em greve este domingo e segunda-feira por aumentos salariais

Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) voltam a paralisar este domingo e na segunda-feira pelo aumento de salários e diminuição da carga horária.

Trabalhadores querem aumento salarial para 750 euros, empresa propôs 670 euros em janeiro

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) voltam a paralisar este domingo e na segunda-feira pelo aumento de salários e diminuição da carga horária, estando prevista também uma concentração em frente à Câmara de Almada, no distrito de Setúbal.

Na sexta-feira, a Fectrans — Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações explicou que os trabalhadores e sindicatos convocaram uma nova greve por não haver respostas sobre a proposta de aumento salarial para 750 euros.

De acordo com o sindicato, os trabalhadores da TST vão fazer uma concentração em frente à Câmara Municipal de Almada, por volta das 10h00, na segunda-feira, estando previsto serem recebidos pela presidente da autarquia.

À semelhança das greves já realizadas em março e abril, a questão central continua a ser o aumento de salários, os direitos dos trabalhadores e a sobrecarga horária, segundo a Fectrans.

Em 23 de janeiro, os trabalhadores reuniram-se com a administração para negociar a revisão do Acordo de Empresa, a qual lhes propôs o aumento de salário de 651,61 euros para 670 euros, além de um acréscimo de 0,91 cêntimos nas diuturnidades e de mais cinco euros no trabalho em dias de folga, uma proposta que os trabalhadores consideraram insuficiente.

Perante as reivindicações e greves, em abril, a TST indicou que a proposta de aumento salarial até 750 euros representa um impacto de mais de dois milhões de euros acima dos valores já aplicados em 2019, considerando incomportável para o plano de negócios da empresa.

No início do mês de maio, os trabalhadores reuniram-se com um elemento da administração responsável pela parte financeira e económica da empresa que, de acordo com a Fectrans, não trouxe nada de novo.

A última greve dos trabalhadores, realizada em abril, teve uma adesão de 95%, segundo o sindicato, e de 75%, de acordo com a empresa, e levou à supressão das carreiras de Setúbal para Lisboa, via autoestrada, Ponte Vasco da Gama e Ponte 25 de Abril.

A TST, detida pelo grupo Arriva, desenvolve a sua atividade na Península de Setúbal, com 190 carreiras e oficinas em quatro concelhos, designadamente Almada, Moita, Sesimbra e Setúbal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)