Rádio Observador

Cultura

Maria João Pires vai ser distinguida com Grã Cruz da Ordem do Infante D.Henrique

356

A pianista Maria João Pires vai ser distinguida, em setembro, com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, anunciou Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado em Castelo Branco.

ELVIRA URQUIJO A./EPA

A pianista Maria João Pires vai ser distinguida, em setembro, com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, anunciou o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, no sábado em Escalos de Baixo, Castelo Branco.

O anúncio foi feito por Marcelo Rebelo de Sousa em declarações aos jornalistas à margem da cerimónia de atribuição da Medalha de Mérito Cultural à pianista, que aconteceu no sábado no Centro Belgais para o Estudo das Artes.

“A condecoração hoje [sábado] entregue foi pelo Governo, e para não haver sobreposição de condecorações será entregue a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, que já lhe comuniquei e ela [Maria João Pires] aceitou”, afirmou o chefe de Estado, adiantando que a entrega irá acontecer a 15 de setembro no mesmo local da cerimónia de hoje.

Maria João Pires receberá a distinção das mãos de Marcelo Recebo de Sousa aquando da ida a Belgais “do corpo diplomático acreditado em Lisboa”.

“Com a presença de todos em embaixadores dos vários países com os quais temos relações diplomáticas, será assinalada a projeção de Maria João Pires no mundo, que esse é o objetivo, a projeção dela, como ela diz, para o futuro no mundo”, afirmou o chefe de Estado.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, atribuiu no sábado a Medalha de Mérito Cultural à pianista Maria João Pires, destacando o seu “serviço de exceção” na divulgação cultural e a sua “entrega à música”.

A pianista afirmou não saber se mereceu no passado a Medalha de Mérito Cultural, mas prometeu tudo fazer para a merecer no futuro.

“Quero agradecer esta medalha [Mérito Cultural], mas queria agradecer-lhe a medalha para o futuro. Eu não sei se a mereci no passado, mas vou fazer tudo o que posso para a merecer no futuro”, afirmou a pianista portuguesa.

Maria João Pires, de 74 anos, criou em 1999 o Centro Belgais para o Estudo das Artes, em Escalos de Baixo, Castelo Branco, um projeto educativo, pedagógico e cultural, com impacto na região, que chegou a ter o apoio do Ministério da Educação. Dez anos depois, em 2009, o centro encerrou alegando na altura uma “difícil situação económico-financeira”.

No ano passado, o projeto foi renovado e reativado como Centro de Artes de Belgais, disponibilizando e retiros musicais, espaço para atuações e oficinas de música. Há ainda uma valência de alojamento e de produção de azeite, como se lê na página oficial.

Maria João Pires nasceu em Lisboa, a 23 de julho de 1944. É a mais internacional e reputada das pianistas portuguesas, com um percurso artístico que remonta a finais dos anos 1940, quando se apresentou pela primeira vez em público, aos quatro anos.

Entre os prémios conquistados pelo talento artístico contam-se o primeiro prémio do concurso internacional Beethoven (1970), o prémio do Conselho Internacional da Música, pertencente à UNESCO (1970), e o Prémio Pessoa (1989).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)