Rádio Observador

Madonna

“Morte ao patriarcado”: Madonna arrasa The New York Times, um dia depois da entrevista

Um dia depois da publicação da entrevista, Madonna criticou o The New York Times, fazendo uma série de reparos (mas sem apontar incorreções). Será indignação genuína ou vontade de chamar a atenção?

"Morte ao patriarcado": o desabafo de Madonna após a publicação da sua entrevista ao The New York Times

Getty Images

Um dia depois de o The New York Times ter publicado a entrevista “Madonna at Sixty” (Madonna aos Sessenta), esta quarta-feira, a cantora usou o Instagram para mostrar o seu desagrado quanto ao conteúdo. “Dizer que fiquei desapontada com o artigo seria um eufemismo […] Tu não consegues mudar a sociedade, nem a necessidade que ela tem de diminuir, denegrir ou rebaixar quem ela sabe que é bom. Sobretudo, mulheres livres de amarras. A jornalista que escreveu este artigo passou dias e horas comigo e foi convidada e entrar num mundo que muita gente não consegue ver, mas optou por se focar em temas triviais […]”, escreveu Madonna numa publicação de Instagram, na tarde desta quinta-feira.

A cantora refere ainda o relevo que a jornalista deu ao facto de já ter 60 anos — “inúmeros comentários à minha idade, que nunca seria mencionada se eu fosse um homem”. “As mulheres têm muita dificuldade em serem referências para outras, mesmo que sejam de facto. Elas posam como feministas intelectuais”, acrescenta.

“Lamento ter perdido cinco minutos com ela. Isso faz com que me sinta violada”, escreve Madonna, aludindo ao comentário feito pela jornalista, no texto da entrevista, que afirmou que as mulheres não deviam usar expressões como “senti-me violada” metaforicamente. “E sim, eu posso usar essa analogia, uma vez que fui violada quando tinha 19 anos. Mais uma prova de que o idolatrado The New York Times é um dos fundadores do patriarcado. E eu digo — morte ao patriarcado, entranhado na malha da sociedade. Nunca deixarei de lutar para o erradicar”, conclui.

Sem apontar incorreções — a entrevista percorre temas como a vida em Lisboa, a sua coleção de arte, o fracasso do último álbum, o escândalo de Harvey Weinstein ou Donald Trump –, Madonna critica o enfoque de Vanessa Grigoriadis em determinados aspetos da conversa. A cantora começa aliás por enaltecer o tempo que passou com o fotógrafo francês JR, autor da produção que acompanha a entrevista, partilhando com os fãs no Instagram algumas imagens da produção e respetivos bastidores.

Pouco mais de uma hora depois, uma nova publicação no Instagram, desta vez a divulgar o trecho de um novo vídeo, relativo ao tema Dark Ballet, que ao que parece terá a participação de Mykki Blanco. Se Madonna está verdadeiramente indignada ou se foi só uma forma de chamar a atenção nas redes sociais é a questão que fica por despistar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)