A empresa alemã de mobilidade urbana TIER, que é uma das nove marcas de trotinetes elétricas a operar em Portugal (em Lisboa), é o mais recente investimento do primeiro fundo privado de investimento em capital de risco português, a Indico Capital Partners. Ao todo, foram investidos 3,25 milhões de euros. Segundo Stephan Morais, responsável pelo fundo, o dinheiro aplicado mostra o compromisso “em ajudar a mudar a forma como as pessoas se movem nas cidades”.

A TIER é considerada a empresa que mais rapidamente cresceu na história da Alemanha, tendo demonstrado resultados exponenciais desde que iniciou suas operações em Outubro do ano passado. Estamos muito satisfeitos em contar com a Indico como nossos investidores e parceiros nesta viagem”, disse Lawrence Leuschner, presidente executivo da empresa, em comunicado.

A TIER está em Portugal desde dezembro de 2018 e está presente em mais 23 cidades europeias, com o principal mercado no norte da Europa. Atualmente, a TIER já tem mais de dois milhões de viagens realizadas e aposta na “manutenção preventiva” dos equipamentos para aumentar a vida útil destes meios de transporte urbanos e obter receita. Recentemente, a empresa alemã anunciou um novo modelo de trotinete mais resistente e com maior alcance (35 a 40 km).

Para Stephan Morais, a TIER “tem as métricas mais impressionantes da Europa”. Além disso, o responsável da Indico refere que “a capacidade de execução e expansão da equipa é incrível” para justificar o investimento.

Em Lisboa, a Tier concorre diretamente com a Flash, a Bird, a Lime, a Voi, a Wind, a Hive, a Bungo e a Frog.

Neste investimento, a Indico juntou-se a uma ronda de financiamento em parceria com a Northzone, a Whitestar, a Point Nine, a Speedinvest, a Kibo Ventures e outros investidores, como o campeão de Fórmula 1 Nico Rosberg, disse o fundo em comunicado.

O Indico Capital Partners VC I, no valor de 46 milhões de euros, é o primeiro fundo de capital de risco nacional, independente e privado, focado em investir nas fases iniciais de startups tecnológicas. A equipa de gestão é composta por Stephan Morais, ex-administrador executivo da Caixa Capital, Ricardo Torgal, ex-gestor de investimentos na Caixa Capital, e por Cristina Fonseca, cofundadora e acionista da Talkdesk.

Este é o sexto investimento da Indico desde que o fundo foi lançado no início do ano: o último teve como investimento 500 mil euros na startup luso-brasileira de psicologia Zenklub, também fez parte de uma ronda de 1,7 milhões para a Barkyn, a Bitcliq captou 600 mil euros, a Attentive captou numa ronda 1,1 milhões e 400 mil euros foram para a Sound Particles.