Rádio Observador

Liga das Nações

De Bernardo que “ouviu Guedes gritar” antes do golo ao “presente a todo o país”: as reações à conquista da Liga das Nações

733

"Os segundos foram poucos para decidir" antes do golo de Guedes, mas acabou por acontecer. Portugal venceu este domingo a Liga das Nações e nenhum jogador esconde o "sabor especial" da conquista.

FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

As primeiras palavras depois da vitória de Portugal sobre a Holanda por 1-0 foram precisamente do autor do único golo do jogo: Gonçalo Guedes. “Jogar em casa com o apoio do nosso público foi fantástico. Sinto-me muito contente em poder ter ajudar a equipa”. O avançado foi falando no meio da festa que os jogadores e os adeptos nas bancadas do Estádio do Dragão iam fazendo após a conquista da primeira Liga das Nações. A vitória, acrescentou Guedes, “foi muito merecida”. 

“Os segundos foram poucos para decidir” no golo que marcou, mas Guedes sublinhou que quem decidiu o jogo “foi a equipa”. “Agora é festejar, aproveitar o momento”, acrescentou. Logo de seguida, Bernardo Silva veio tentar explicar como nasceu o golo de Gonçalo Guedes, mas as palavras também foram faltando: “Eu já não me lembro quem é que fez o passe, depois ouvi o Guedes a gritar ‘Bernardo, Bernardo’. Foi uma grande finalização”. 

Rúben Dias foi eleito o homem do jogo e não tem dúvidas: “Ganhar uma competição deste tamanho em nossa casa é qualquer coisa…”. O defesa confessou ainda a felicidade pela vitória e lembrou que Portugal conseguiu ganhar o primeiro torneio da história da Liga das Nações. Já Nelson Semedo falou num “sentimento de muita alegria” pelo trabalho desde o final da época com os clubes.

Para Bruno Fernandes, ganhar este título na cidade do Porto tem um significado especial: “Para mim é ainda mais importante, que sou desta terra”, disse o médio do Sporting. Sobre o futuro nos leões, revelou que “ainda está muito em águas de bacalhau”. Mas assegurou: “Estou tranquilo. Tenho sonhos por realizar”.

Danilo Pereira, médio do FC Porto, também não escondeu o “sabor especial” por ganhar este título no Estádio do Dragão e destaca “a união do grupo” como o principal trunfo para a vitória na Liga das Nações. “Seja quem for convocado tem sempre o intuito de ajudar toda a gente, ninguém fica chateado por estar no banco”, explicou ainda no relvado, antes de levantar a taça com a seleção nacional.

José Fonte, que joga atualmente no Lille, falou nesta vitória como “um presente a todo país”. “Mais um troféu para o nosso museu, esperemos continuar assim por muitos mais anos”, sublinhou.

Ronaldo fala do “plantel mais jovem” e diz que tudo se deve a uma “trabalho árduo, muita crença” e também o “apoio dos adeptos”. O avançado português que esteve na final do Euro’2004, venceu o Euro’2016 e agora a Liga das Nações afirma que “os ciclos mudam”. O jogador critica os comentadores “que dizem mal” da seleção, referindo “que lhe faz confusão” receber críticas de portugueses.

Sobre Pinto da Costa ter dito que Cristiano “devia jogar até aos 50”, o jogador riu-se e disse que “o Ronaldo não é eterno”, mas “enquanto se sentir bem e tiver força” vai continuar a jogar por Portugal” porque sente “a mesma alegria de quando tinha 18 anos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)