Rádio Observador

NBA

Três triplos num minuto e meio, Warrions ganham por um ponto em Toronto e final da NBA vai para sexto jogo

Kevin Durant voltou, brilhou, lesionou-se de novo e seguiu para o hospital de muletas. No final Warriors dedicaram-lhe triunfo (106-105) que levou final para jogo 6 com três triplos num minuto e meio.

Thompson marcou o triplo decisivo antes de Lowry falhar a última tentativa quando o tempo estava quase a esgotar-se

Getty Images

A festa na Scotiabank Arena estava preparada, as garrafas começavam a preparar-se no Jurassic Park (que alberga milhares de fãs dos Raptors sem entrada no recinto) mas acabou por ser em Oakland que as serpentinas e confettis caíram do ecrã em cubo gigante depois da vitória dos Warriors em Toronto, que teve casa cheia na Oracle Arena para seguir o encontro. E foi um triunfo no limite (106-105), que levou a final da NBA para jogo 6 na Califórnia, depois de uma recuperação dos visitados na parte final que acabou por ser anulada por três triplos num minuto e meio que permitiram dedicar a vitória a Kevin Durant.

Com o extremo de regresso às opções de Steve Kerr e ao cinco inicial, os Golden State Warriors começaram da melhor forma o jogo com 19 pontos nos primeiros cinco minutos e com uma percentagem de 100% nos cinco lançamentos triplos tentados, o que parecia mudar por completo o cariz deste encontro em comparação com o anterior. Com muito coração à mistura, os visitados conseguiram depois travar a enxurrada ofensiva do opositor, conseguiram mesmo passar para a frente do marcador com Leonard a puxar pela equipa (21-19) mas voltaram a não conseguir controlar algumas posses de bola que permitiram novo avanço dos Warriors com 34-28 no final do primeiro período entre os destaques de Curry (14 pontos) e Durant (11).

Titular e lançado na parte final do período, Durant estava em noite inspirada mas as dificuldades físicas que o retiraram dos primeiros quatro jogos desta decisão eram evidentes, com gelo na zona afetada do tendão de Aquiles sempre que se deslocava ao banco. Fez o esforço, talvez até em demasia, e isso acabou por ser o seu fim: num lance com Ibaka onde fez mal o apoio com o pé direito, o extremo deixou logo o sinal de que não conseguiria continuar e foi levado por um elemento da equipa médica e por Iguodala para o balneário, com Curry a sair também do campo para ir ver o estado do companheiro. Ponto curioso – depois dos assobios e da “celebração” de alguns adeptos pelo problema do jogador (algo que deixou desconfortáveis os próprios elementos dos Raptors), Durant saiu a ser cumprimentado pelo banco de Toronto e aplaudido de pé pelo público da casa.

DeMarcus Cousins, que estava no banco com cara de poucos amigos por não ter sido utilizado, entrou em campo, fez sete pontos seguidos e colocou os Warriors com a maior vantagem até ao momento (48-37), num segundo período que só não teve maior influência no desfecho final porque os Raptors, com a alma do costume, conseguiram um parcial de 10-3 num minuto antes de Stephen Curry, melhor marcador da primeira parte com 23 pontos, arrancar mais um triplo que travou essa série e permitiu aos visitantes chegarem ao intervalo de novo com os mesmos seis pontos de vantagem (62-56). Entre os jogadores com mais pontos extra Curry e Leonard, o destaque acabou por ser Marc Gasol, espanhol que fechou os 24 minutos iniciais com 15 pontos.

O segundo tempo arrancou com os mesmos momentos da primeira parte: o conjunto de Golden State voltou a conseguir as suas vantagens da casa dos dois dígitos, a formação de Toronto teve o mérito de não descolar do resultado, os visitantes acabaram de novo melhor e mantiveram os seis pontos de diferença no final do terceiro período (78-84). Também aqui, um dos problemas dos Warriors na presente temporada ficava bem à vista: noutros anos, 12 pontos de avanço para o conjunto de Steve Kerr era meio caminho andado para segurar a vitória; ao invés, permitiu sempre que o adversário ganhasse vida num ambiente que, não sendo relevante para o desfecho final como se vira nos encontros anteriores, conseguia sempre ter o seu peso.

Os minutos passavam, os Warriors continuavam na frente e apareceu Leonard: terceiro melhor marcador dos Raptors nesse momento a cinco minutos do final do jogo (atrás de Marc Gasol e Lowry), o segundo base teve pouco mais de dois minutos de sonho onde marcou dez pontos seguidos, com dois triplos à mistura. A equipa da casa fazia o parcial que necessitava para ir de novo para a liderança do encontro (12-2), chegando pela primeira vez no jogo a uma vantagem de seis pontos (103-97) tendo a noção de que o adversário começava a tremer. Depois, um desconto fez milagres. E enquanto a formação de Toronto foi perdendo bolas e falhando lançamentos, os três triplos de Thompson e Curry num minuto e meio carimbaram o 106-105 final.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)