Rádio Observador

Autarquias

Rota Final: Buscas em Azeméis envolveram três contratos num total dos 162 mil euros

A Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis revelou que as buscas da PJ no âmbito da operação Rota Final envolveram três contratos de transportes de passageiros no valor global de 162.350 euros.

MANUEL ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis revelou esta quinta-feira que as buscas aí realizadas quarta-feira pela Polícia Judiciária (PJ) no âmbito da operação Rota Final envolveram três contratos de transportes de passageiros no valor global de 162.350 euros.

O tema foi esta tarde abordado em conferência de imprensa no seguimento da operação levada a cabo pela PJ em 18 autarquias do Norte e Centro do país, a propósito de um alegado esquema fraudulento de viciação de procedimentos de contratação pública na área dos transportes coletivos, envolvendo autarquias, outras entidades públicas e empresas do grupo Transdev.

O socialista Joaquim Jorge Ferreira, presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, disse-se hoje “tranquilo” quanto aos procedimentos concursais executados no seu mandato autárquico, iniciado em 2017, mas revelou que a PJ também quis informação sobre dois contratos assinados na gestão anterior, do PSD, então em regime de ajuste direto.

“Foram-nos pedidas informações sobre um processo relativo a este mandato, envolvendo uma consulta prévia em que consultámos todas as entidade autorizadas pelo IMTT [Instituto de Mobilidade e Transportes Terrestres] a fazer transportes de passageiros [na região], e também nos solicitaram informação do mandato anterior, que foi entregue”, revelou o autarca.

Todos os contratos em causa envolvem transportes coletivos assegurados pela empresa Caima, detida pelo grupo Transdev, mas esses serviços “podem não ter sido exclusivamente para efeitos escolares”, envolvendo também, por exemplo, deslocações de coletividades para participação em provas desportivas e outros eventos.

No caso do contrato assinado pelo atual Executivo PS, o documento é de junho de 2018 e reporta a 74.000 euros de serviços de autocarro com condutor num período de 18 meses.

Joaquim Jorge Ferreira informou que a empresa Caima venceu esse procedimento após uma consulta prévia que também abrangeu a A.V. Reis Lda., a M.N.C. Viagens e Bus Lda., a A.V. Danybus Unipessoal Lda. e a Bus Azeméis Lda.

“Éramos obrigados a consultar três operadoras, mas até consultámos cinco(…). Todo o procedimento foi feito como devia”, realçou.

Já no que se refere aos contratos da gestão PSD, ambos se terão verificado por ajuste direto em 2017, sendo que um deles se refere a 74.000 euros por 12 meses de transportes e o outro concerne a 14.350 euros por 45 dias de serviços.

Joaquim Jorge Ferreira não comentou os procedimentos do Executivo anterior, mas, quanto aos realizados sob a sua liderança, considerou que “os oliveirenses podem estar orgulhosos do trabalho que a Câmara Municipal está a fazer neste mandato e não há qualquer motivo para preocupação [quanto a este período]”.

Já no que concerne ao procedimento global da PJ na condução das suas diligências policiais, o autarca alertou que o “mediatismo exacerbado” gerado pelo caso “prejudica o bom nome” das autarquias que, sem culpa, se tenham visto envolvidas no processo.

Nessa perspetiva, e mesmo ressalvando que “a corrupção é inimiga do desenvolvimento do território”, defendeu que “não se devem lançar suspeitas infundadas sobre casos ainda sob investigação, sob pena de isso resultar em prejuízo para as autarquias e para a credibilização da atividade política e da gestão pública”.

A operação “Rota Final” envolveu quarta-feira 50 buscas a câmaras, empresas e entidades públicas, sendo os procedimentos levados a cabo pela Diretoria do Norte da PJ com o apoio da do Centro e ainda de vários departamentos de investigação criminal. Essas perícias envolveram 200 operacionais, entre os quais inspetores e peritos informáticos, financeiros e contabilísticos.

Além de Oliveira de Azeméis, as outras 17 autarquias sujeitas a buscas foram as de Águeda, Almeida, Armamar, Belmonte, Barcelos, Braga, Cinfães, Fundão, Guarda, Lamego, Moimenta da Beira, Oleiros, Oliveira do Bairro, Sertã, Soure, Pinhel e Tarouca.

Nesse processo foram constituídos cinco arguidos, entre os quais Álvaro Amaro, ex-vice-presidente do PSD, ex-presidente da Câmara Municipal da Guarda e recém-eleito eurodeputado.

“Mediante atuação concertada de quadros dirigentes de uma empresa de transporte público de grande implementação em território nacional, com intervenção de ex-autarcas a título de consultores e beneficiando dos conhecimentos destes, terão sido influenciadas decisões a nível autárquico com favorecimento na celebração de contratos públicos de prestação de serviços de transporte, excluindo-se das regras de concorrência, atribuição de compensação financeira indevida e prejuízo para o erário público”, explicou a PJ.

Segundo indica o site da Transdev, essa operadora de transporte rodoviário e fluvial está presente em todo o território continental português, “com especial incidência nas regiões Norte e Centro”.

Detendo “11 empresas, bem como participações na Internorte, Intercentro, Rede Nacional de Expressos, Renex e Rodoviária do Tejo”, o grupo conta com 1.900 colaboradores, integra uma frota superior a 1.500 viaturas e fechou 2017 com um volume de negócios de 96,6 milhões de euros, “só em Portugal”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)