Rádio Observador

Turismo

Barcos admitem aumentar bilhetes para compensar limite de visitantes nas Berlengas

As embarcações marítimo-turísticas admitem aumentar o preço dos bilhetes para a Reserva Natural das Berlengas para contrapor a quebra de receitas com o limite de 550 visitantes em simultâneo.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As embarcações marítimo-turísticas admitem aumentar o preço dos bilhetes para a Reserva Natural das Berlengas para contrapor a quebra de receitas com o limite, a partir deste sábado, de 550 visitantes em simultâneo na ilha da Berlenga, de que discordam.

A portaria do Ministério do Ambiente que fixa o limite diário entrou em vigor em 23 de maio, mas, em resultado da baixa procura nestas primeiras semanas, não houve qualquer fiscalização junto das embarcações marítimo-turísticas que transportam os visitantes para a ilha.

A partir deste sábado, começa a haver controlo pelas autoridades e os operadores estão limitados a fazer duas viagens diárias.

“Desde 2017 que já havia, na época alta, três viagens por dia. Agora estamos mais limitados e o que me preocupa não é deixar visitantes em terra, mas as embarcações estarem impedidas de trabalhar”, refere Renato Rodrigues, um dos operadores, à agência Lusa.

Os operadores defendiam, em alternativa, um limite de 570, a soma da lotação das 24 embarcações existentes.

“O ideal era os 570 para que todos pudessem ir, porque os 20 fazem falta e, se se der o caso de todos irem, vai haver alguém que vai ter de ficar em terra”, adverte o presidente da Associação dos Operadores Marítimo-Turísticos de Peniche, José Manuel Fernandes.

Para Renato Rodrigues, “do ponto de vista económico, as empresas vão baixar os rendimentos”.

A opinião é partilhada pelo colega Sérgio Ferreira: “É prejudicial. Os operadores vão fazer menos dinheiro, mas a longo prazo vai ser benéfico, porque temos menos desgaste das embarcações e vamos oferecer mais qualidade às pessoas”.

Para manter a atividade e responder à quebra de rendimentos, os operadores admitem vir a aumentar o preço dos bilhetes.

Todos são unânimes em afirmar que a definição de uma capacidade de carga humana estabelece um maior equilíbrio entre o turismo e o ecossistema natural.

A reserva natural “podia começar a degradar-se e seria normal que as pessoas deixassem de gostar de visitar a ilha”, refere Sérgio Ferreira à Lusa.

As embarcações passam a estar proibidas de transportar e deixar visitantes na ilha, regressar a Peniche e transportar outro grupo de visitantes sem que o anterior tenha regressado a Peniche, reduzindo o tempo de permanência na ilha dos turistas.

Bernardo Ferreira, visitante, concorda que haja um limite de visitantes: “A Berlenga é uma reserva natural e temos de a preservar”.

Pela primeira vez em Portugal, de visita à ilha, a brasileira Patricia Bergantin é da mesma opinião.

“Agora tinha pouquíssimas pessoas e realmente foi um bom proveito desta reserva natural. Chegando mais pessoas, haver um limite para um espaço tão preservado é importante para a preservação da natureza”, refere.

“Há muito tempo que se esperava” que a definição de uma carga humana máxima “fosse implementada oficialmente”, diz Joana Andrade, coordenadora do projeto de investigação “Life Berlenga”, que nos últimos cinco anos implementou ações com vista à preservação do habitat natural da ilha.

Nos dias de verão, “havia mais de mil pessoas em simultâneo na ilha e acabava por haver um excesso de visitantes em alguns sítios”, lembra a bióloga da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.

A fixação de um limite, defende, vem “melhorar a própria experiência de visitação e facilitar o funcionamento das atividades na ilha em articulação com a biodiversidade”.

Mais de 80 mil turistas visitaram a reserva natural em 2018, de acordo com o relatório do “Projeto Life”, que termina este mês.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)