Rádio Observador

Madrid

Direita vai governar Madrid com apoio da extrema-direita

753

O candidato do PP, José Luis Martínez-Almeida, foi eleito presidente da Câmara de Madrid numa coligação com o Cidadãos (Cs, direita liberal) e o apoio da extrema-direita do Vox.

EMILIO NARANJO / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O candidato do Partido Popular (PP, direita) José Luis Martínez-Almeida foi este sábado eleito presidente da Câmara de Madrid devido a uma coligação com o Cidadãos (Cs, direita liberal) e o apoio da extrema-direita do Vox.

Três semanas depois das eleições municipais, e depois de intensas negociações, o candidato conservador foi eleito com o voto favorável de 30 conselheiros municipais, mais do que a maioria absoluta necessária.

Martínez-Almeida sucede no cargo a Manuela Carmena, uma antiga magistrada eleita em 2015 com o apoio dos socialistas do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).

O acordo agora alcançado entre os partidos de direita teve o apoio dos quatro conselheiros municipais eleitos pelo Vox, que vão ter “funções” ainda não definidas.

O novo executivo municipal será anunciado na segunda-feira, nomeadamente que “funções” vão ser atribuídas aos eleitos do Vox, possivelmente vereadores distritais, conforme disseram à agência EFE fontes do PP.

Várias localidades de Espanha concluíram nos últimos dias acordos semelhantes com o apoio do Vox, criado em 2013 mas que até há um ano estava praticamente ausente da cena política espanhola.

Nas eleições legislativas de abril, o Vox obteve 10% dos votos e elegeu 24 deputados ao parlamento espanhol.

“Vão ouvir-nos lamentar tanto quanto for preciso o facto de terem decidido dar a uma força como o Vox a capacidade de decidir sobre o governo da cidade mais importante de Espanha e uma das mais importantes do mundo”, advertiu o candidato socialista à câmara da capital, Pepu Hernandez.

O novo executivo municipal é apoiado pelo líder do PP, Pablo Casado, que disse acreditar que Madrid marca o início de uma mudança em Espanha.

O líder dos Cidadãos, Albert Rivera, não se pronunciou ainda especificamente sobre o acordo em Madrid, mas, segundo a imprensa espanhola, foi advertido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, de que uma eventual aliança a nível nacional com a extrema-direita pode pôr em causa a cooperação política entre ambos os partidos na União Europeia.

O partido de Macron que se apresentou às europeias de maio, Renascença em Marcha, aliou-se ao grupo dos liberais no Parlamento Europeu (PE), até agora denominado Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) e doravante designado Renew Europe (Renovar a Europa).

O Cidadãos integra a mesma família política, cuja principal delegação é a de Macron, com 21 eurodeputados.

Uma aliança em Espanha entre os liberais do “Ciudadanos e a extrema-direita colocaria em questão a cooperação política para construir um grupo centrista renovado no seio da União Europeia”, afirmou hoje fonte da presidência francesa à agência AFP, que pediu confirmação de notícias nesse sentido surgidas na imprensa espanhola.

“É preciso haver coerência ideológica. Um grupo progressista e liberal não pode permitir-se ser acusado de fraqueza ou de ambiguidade” pela aproximação a forças populistas, acrescentou a fonte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)