Rádio Observador

Água

Projeto luso-espanhol cria manual de boas práticas na gestão da água

O projeto Aquamundam, que visa a proteção do meio ambiente através da melhoria da gestão do ciclo da água em espaços transfronteiriços, resultou documento num conjunto de boas práticas.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O projeto Aquamundam, que visa a proteção do meio ambiente através da melhoria da gestão do ciclo da água em espaços transfronteiriços de Portugal e Espanha, resultou num documento conjunto de boas práticas, segundo uma das entidades promotoras.

O projeto ibérico, liderado pelo Instituto Tecnológico da Galiza, inclui ainda, do lado espanhol, a entidade pública empresarial Águas de Galiza, a fundação Cartif e a Confederação Hidrográfica do Douro, enquanto em Portugal participam a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e o Instituto Pedro Nunes (IPN).

Inserido no programa de cooperação Interreg VA Espanha-Portugal (POCTEP), que visa o desenvolvimento da maior fronteira da União Europeia, o Aquamundam tem a duração de dois anos e termina no final de 2019.

“Foi feita uma recolha de boas práticas na zona transfronteiriça e há um manual português, um manual espanhol e depois um documento conjunto [um estudo sobre a gestão da água na zona transfronteiriça de Portugal e Espanha] que já estão disponíveis na página do projeto”, disse à agência Gouveia Leal, coordenador do Aquamundam no IPN.

De acordo com o responsável daquele organismo localizado em Coimbra, estão ainda a ser desenvolvidos, em parceria entre o IPN e o Instituto Tecnológico da Galiza, quatro projetos-piloto de utilização de um sistema de gestão, que irão ser testados após as férias de verão – um em Portugal, pela CIM do Alto Minho, e os três restantes em Espanha, na Galiza e na zona do rio Douro.

O Aquamundam, que pretende fomentar o uso racional da água, através do desenvolvimento de novas metodologias e ferramentas e através da valorização de soluções e técnicas existentes, terá um relatório final apresentado no final do ano, que congrega toda a documentação produzida.

“Os trabalhos que competiam ao IPN estão numa fase final. Só falta entregar um documento com indicadores e recomendações para melhoria da gestão da rede”, adiantou Gouveia Leal.

Já José Alfeu Marques, especialista em hidráulica, recursos hídricos e ambiente do departamento de Engenharia Civil da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, autor do manual português de boas práticas, disse à Lusa que este resultou da sua experiência de “42 anos de ensino, projeto e investigação”, contribuições das dissertações de mestrado e doutoramento que tem orientado, e contributos de entidades gestoras de água e saneamento.

Questionado sobre os contributos que Portugal pode dar a Espanha, Alfeu Marques fez um paralelo com a atividade dos órgãos de comunicação social: “Da mesma maneira que os jornalistas têm de ter informação para terem notícia, no setor da água temos de conhecer a rede para melhor a gerir, é fundamental”.

“E estas infraestruturas [de água e saneamento] são terríveis, porque estão enterradas, algumas com 40, 50, 100 anos. Nós temos redes de água com 100 anos e, portanto, a primeira coisa é ter um cadastro, ter informação”, lembrou o especialista.

Depois, indicou, há que validar essa informação, hierarquizar as intervenções de reparação e fazer uma monitorização em contínuo.

O especialista argumentou que, com as novas tecnologias, uma simples rotura em casa que resulte numa inundação poderá ser resolvida com um sistema de telegestão.

“Essa informação poderá ser passada imediatamente a uma empresa que faz a segurança da habitação, que nos avisa com uma vulgar sms. E se a rotura ultrapassar um certo valor, o sistema permite fechar a torneira de passagem de água pelo contador. Isto é cada vez hoje mais acessível e quanto mais for utilizado, como em tudo, mais barato vai ser fazer”, afirmou.

Estes foram aspetos referenciados aos colegas espanhóis: “Eles têm um problema de água muito grande por causa de terem uma agricultura como têm, mas tratam menos bem do que nós a questão do ciclo urbano da água”, enfatizou Alfeu Marques.

O presidente da Águas do Centro Litoral, Nelson Geada, considera que o conhecimento adquirido no setor da água em Portugal “está na vanguarda da Europa”.

Desde a década de 1980, referiu à Lusa, existem em Portugal grupos de técnicos com muita experiência adquirida e que Portugal já esteve representado no comité principal da Associação Mundial da Água.

Por outro lado, notou, o problema da água em Espanha “é um problema económico de enorme dimensão”.

“Espanha é um país agrícola por excelência, a agricultura é fundamental em Espanha e aqui não é. Resultado: em Espanha, o enfoque principal da investigação reside onde lhes dói mais, onde têm um problema mais agudo, que é na agricultura. Na parte do consumo humano estão adiantados também, têm trabalho feito desde os anos 80, mas já nessa altura a sensibilidade de Espanha era virada para o problema que têm na agricultura”, sublinhou.

Nelson Geada referiu que em Portugal há conhecimento, técnicos e vontade política, mas esta tem de ser maior.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)