Rádio Observador

SIRESP

SIRESP. Marcelo assume que “a partir de agora tudo o que acontecer será responsabilidade do Estado”

693

Marcelo Rebelo de Sousa disse este domingo que, com a compra do SIRESP, tudo o que acontecer daqui em diante "será responsabilidade do Estado. Diploma sobre a compra do SIRESP promulgado esta tarde.

O SIRESP era até aqui detido em 52,1% pela PT Móveis (Altice Portugal) e 14,9% pela Motorola Solutions, sendo 33% da Parvalorem (Estado)

O Presidente da República promulgou este domingo o diploma sobre a compra da parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Já na sexta-feira, durante a visita de Estado à Costa do Marfim, Marcelo Rebelo de Sousa confirmou que o decreto tinha chegado a Belém e que a promulgação estaria “para os próximos dias”.

Numa nota publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa justifica a decisão com a “importância estratégica” do sistema de comunicações de emergência e a necessidade deste ser “seguro, confiável e eficaz” ainda que nas situações “mais adversas”.

O Presidente da República reforça as “acrescidas responsabilidades” que o Governo terá, a partir de agora, na “direção e orientação” de uma entidade que terá “capitais inteiramente públicos”.

Marcelo destaca ainda a importância do SIRESP ao nível da “urgência da tomada de decisão” e a preocupação de “evitar processos alternativos mais longos e aleatórios”.

Em declarações aos jornalistas, à chegada ao Hospital das Forças Armadas em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que a decisão de aquisição — em detrimento da nacionalização — foi uma escolha “sensata” uma vez que permitiu diminuir o tempo de transição que é “mais fácil” e com feita “menos conflitos”.

Recordando o texto da nota publicada no site da presidência, Marcelo voltou a destacar o papel que o Governo tem a partir daqui na gestão do sistema de comunicações de emergência. “A partir de agora o que acontecer passa a ser responsabilidade exclusiva do Estado, leia-se do Governo”, disse o presidente depois de ser questionado sobre os riscos da aquisição.

O chefe de Estado lembrou ainda a “opinião concordante” dos accionistas que apresentaram uma “declaração vinculativa” sobre a compra das partes detidas pela Altice Portugal e Motorola Solutions.

O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no SIRESP.

O decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros “transfere integralmente para a esfera pública” as funções relacionadas com a gestão, operação, manutenção, modernização e ampliação da rede SIRESP, e também a estrutura empresarial.

A transferência será feita em 01 de dezembro de 2019 e o Estado irá pagar sete milhões de euros, correspondentes a 33.500 ações, afirmou, no final da reunião, o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo.

O SIRESP é detido em 52,1% pela PT Móveis (Altice Portugal) e 14,9% pela Motorola Solutions, sendo 33% da Parvalorem (Estado).

Já neste domingo o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou que os portugueses “podem confiar” no sistema que em “2018 funcionou sempre mesmo quando todas as redes convencionais falharam”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)