Rádio Observador

Administração Pública

Governo define ‘nos próximos dias’ concurso de mil técnicos para a Administração Pública

298

Vagas e locais de preferência para os novos mil técnicos contratados para a Administração Pública serão definidos "nos próximos dias". Mariana Vieira da Silva admite existirem "problemas a resolver".

Ministra anunciou a abertura de dois novos espaços em Lisboa para pedidos e renovação de cartão de cidadão e de passaporte

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O Governo vai definir “nos próximos dias” vagas e locais de preferência para os mil técnicos que vai contratar por concurso para a Administração Pública, anunciou esta quarta-feira aos deputados a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa.

“Nos próximos dias estaremos em condições de definir as vagas e os locais onde são mais precisos” no concurso que está a ser preparado para contratar mil técnicos, afirmou a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, numa audição regimental na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a última da atual legislatura da Assembleia da República.

A governante reafirmou a intenção de normalizar a renovação do cartão de cidadão, que tem registado queixas sobre as filas no atendimento, nomeadamente devido ao aumento da procura, também por casa da saída do Reino Unido da União Europeia (‘brexit’) a partir do verão.

“Julgamos que nos próximos dois meses podemos ter resultados significativos”, disse a ministra, que precisou ter havido um aumento de 24% na procura de serviços do cartão do cidadão, para renovação ou novos pedidos, nos primeiros quatro meses deste ano.

Admitindo existirem “problemas a resolver”, como filas de espera naqueles serviços, Marina Vieira da Silva mostrou-se esperançosa nos resultados das novas medidas lançadas pelo Governo para resolver o atendimento, nomeadamente através da renovação ‘online’ a partir do final deste mês e abertura de novos locais de atendimento físico.

“Esperamos resolver assim um pico que se esperava até ao final do ano”, disse a governante, anunciando a abertura de dois novos espaços em Lisboa para pedidos e renovação de cartão de cidadão e de passaporte.

Quanto ao número de funcionários públicos, a ministra disse concordar com os deputados quanto à “falta de pessoas em alguns serviços” públicos, mas salientou os benefícios de medidas como o aumento na oferta de espaços de renovação do cartão cidadão e, desde 20 maio, “os dados biométricos que permitiram reduzir o tempo de atendimento”.

“Concordo que um dos problemas centrais é de recursos humanos”, disse, adiantando haver “falta de recursos em alguns sítios e envelhecimento dos quadros da Administração Pública”, mas defendeu que “há um problema de fundo” a resolver.

Mariana Vieira da Silva falou ainda aos deputados sobre o Centro de Competências Jurídicas, criado por diploma em meados de 2017, para prestar consultoria aos membros do executivo, um “reforço de competências” jurídicas na Administração Pública, segundo a ministra, que tem o benefício de, antes de a administração do Estado recorrer a serviços externos jurídicos, ter agora de perguntar internamente se consegue responder a esse pedido.

“Houve redução de gastos no ‘outsorcing’ jurídico”, adiantou Mariana Vieira da Silva, referindo-se aos resultados do trabalho deste núcleo de prestação interna de serviços jurídicos à própria Administração Pública, que integra um quadro de especialistas qualificados.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

“O triunfo dos porcos”

Jorge Silveira Botelho
265

Enquanto muitos trabalhadores do setor privado reentraram no mercado de trabalho com salários mais baixos, o valor dos ganhos médios mensais brutos no sector público passou de 1.600 para 1.721 euros.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)