Portugal recebeu, entre 2015 até junho deste ano, cerca de 2,5 mil milhões de euros em verbas do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE), sendo o quarto país da União Europeia (UE) com maior apoio deste programa.

Segundo dados divulgados esta quinta-feira pela Comissão Europeia referentes ao FEIE, também chamado ‘Plano Juncker’, até junho deste ano foi aprovado um financiamento de 2.536 milhões de euros para Portugal, montante que Bruxelas espera que desencadeie perto de 8.907 milhões de euros no país, tendo também em conta o investimento privado.

Estes valores colocam Portugal no quarto lugar dos países da UE com maior investimento desencadeado com base em verbas do FEIE (em relação ao produto interno bruto), atrás da Grécia, da Estónia e da Bulgária. O quinto lugar é ocupado pela Letónia.

Ao todo, os projetos aprovados pelo ‘Plano Juncker’ nos 28 Estados-membros, entre 2015 até meados de junho deste ano, representam um financiamento de 75 mil milhões de euros.

Bruxelas estima que estes projetos gerem um investimento indireto de 408,4 mil milhões de euros. O objetivo é chegar aos 500 mil milhões de euros mobilizados até 2020.

Em causa, segundo a Comissão Europeia, estão até agora 952 mil ‘startups’ e pequenas e médias empresas (PME), que beneficiam de melhor acesso ao financiamento para investir.

O financiamento do ‘Plano Juncker’ tem sido, principalmente, destinado a pequenas empresas e a projetos de inovação, energia, tecnologia, transportes, infraestruturas sociais e ainda sustentabilidade ambiental, adianta a Comissão Europeia.