Rádio Observador

Política

Mel Gibson e a recompensa de 2500€: Luís Filipe Menezes quer saber quem o acusou de maus tratos

O ex-líder do PSD foi visitado pelos Serviços Sociais que procuravam esclarecimentos sobre alegados maus-tratos a crianças e idosos. Ripostou com ajuda do cinema, via Facebook

Gerardo Santos / Global Imagens

“Em 1996, Mel Gibson, sob a direcção de Ron Howard, protagonizou um filme com um argumento genial”, é desta forma que Luís Filipe Menezes começa o longo post de Facebook onde oferece 2500€ a quem lhe der informações sobre a denuncia anónima que levou os Serviços Sociais a inspecionarem-lhe a casa, em busca de provas de alegados maus-tratos a idosos e crianças. A referência do ex-líder do PSD pode parecer rocambolesca, mas a história que se esconde por trás dela não lhe fica atrás.

“Um dono de uma companhia aérea viu o seu filho raptado e exigiram-lhe um resgate obsceno. Face à dúvida legítima de que o pagamento lhe restituísse o filho vivo, decidiu ir a uma estação de TV e oferecer o dobro do que lhe pediam a quem lhe desse informações fidedignas sobre quem o teria em cativeiro. Brilhantemente, decidiu inverter os dados do jogo. Dessa forma recuperou o seu filho são e salvo e levou à morte e prisão de todos os raptores”, escreveu Menezes.

Esta pequena sinopse, também ela parte integrante da dita publicação na sua página pessoal de Facebook, resume a história do filme “O Preço de Um Resgate”, que é protagonizada por Mel Gibson e serviu de inspiração para aquilo que Menezes está a tentar fazer.

Em 1996 Mel Gibson, sob a direcção de Ron Howard, protagonizou um filme com um argumento genial. Um dono de uma…

Posted by Luis Filipe Menezes on Thursday, June 13, 2019

O ex-autarca de Vila Nova de Gaia explica que recebeu a visita “de duas profissionais corretíssimas” que iam fazer-lhe uma “vistoria” à casa, espaço que, segundo uma tal denúncia anónima, era referenciada como “um local onde tratavam mal, desumanamente, idosos e ainda onde se encontravam crianças menores abandonadas.” As representantes dos Serviços Sociais nada encontraram mas Menezes, que reforça a sua “dedicação doentia, de sempre” para com os “seus” idosos e crianças, decidiu ripostar.

Depois de, segundo o próprio, ser várias vezes alvo de denúncias anónimas, Menezes pretende acabar com “esta pouca vergonha” fiando-se numa recompensa de 2.500€.

“Após trocar impressões com os familiares mais próximos, tomamos uma decisão. Não somos ricos, mas entre nós e os nossos pais fizemos uma quotização e oferecemos uma recompensa de 2.500 euros, a quem nos fizer chegar confidencialmente – pode ser por Messenger, Whatsapp ou e-mail – informação fidedigna, sujeita a prova ou a indício muito forte, sobre a identidade do autor ou autores dessa denúncia anónima. Com essa informação poderemos acionar uma queixa crime que pode terminar num crime público por denúncia caluniosa”, explica.

Em jeito de conclusão, termina o post dizendo que toma “esta atitude radical” para “o bem de toda a comunidade a que pertence” e porque “não pode andar permanentemente ao sabor desta pouca vergonha.” “Será este o caminho que seguiremos no futuro sempre que a cobardia reles nos bater à porta”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)